Somos todos paralímpicos

[Por  Marketing Destinos, 09/09/2016]
Após a deslumbrante cerimônia dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a abertura dos Paralímpicos não podia ficar para trás. Em uma cerimônia emocionante, o Rio celebrou novamente a estada dos Jogos no Brasil.
Com o Maracanã praticamente lotado, os espectadores presenciaram um espetáculo de superação e criatividade. O surpreendente salto de Aaron Wheelz, a belíssima versão do hino nacional tocada por João Carlos Martins, o colorido do tema de praia, a dança luminosa, Amy Purdy em um dueto robótico, o desafio do nadador Clodoaldo Silva para acender a pira: tudo nos cativou e nos fez refletir a respeito da inclusão de quem possui algum tipo de deficiência.
Enquanto se desenrolava a cerimônia, começava a polêmica: a Rede Globo, emissora oficial dos Jogos e assídua das competições da Rio 2016, não transmitiu ao vivo a abertura das Paralimpíadas. Apesar do slogan “Somos todos olímpicos”, o canal transmitiu, inclusive para o Rio de Janeiro, sua programação normal de novelas, jornal e o futebol, o que gerou insatisfação dos espectadores da TV aberta e muitas críticas nas redes sociais. Mais tarde, a emissora levou ao ar um compilado de 30 minutos dos melhores momentos da cerimônia, que teve 4 horas de duração.
Em resposta, a emissora afirmou seu compromisso com os Jogos Paralímpicos e declarou: “tomamos a decisão artística de fazer um compacto com o melhores momentos, pois acreditamos que este era o formato que proporcionava a melhor experiência para o nosso público”.
Discussões à parte, o Brasil provou mais uma vez que sabe emocionar. E, aos poucos, a gente acrescenta mais um legado da passagem dos Jogos por aqui: a quebra de preconceitos e a celebração das diferenças. Esse momento é a cara do Brasil, da diversidade, das diferenças e da alegria. Força diante da adversidade e a mania de não desistir.