Setor foi pego de surpresa com suspensão de eventos em Pernambuco

Após o anúncio sobre a suspensão dos eventos sociais e corporativos em Pernambuco, na tarde desta quarta-feira, o setor disse que foi pego de surpresa com a medida adotada pelo governo do estado. A atividade será paralisada a partir da próxima segunda-feira e a suspensão vai valer pelo prazo de 30 dias.

“Essa decisão não foi conversada com o setor. Na primeira vez que o governo parou o setor de eventos, a gente pediu que os representantes do governo conversassem com a gente antes de tomar qualquer decisão para a gente ter o mínimo de preparação. É um setor que envolve todo um planejamento e investimento feito com antecedência. Mas não sabíamos dessa suspensão agora”, disse Tatiana Marques, cerimonialista e presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos em Pernambuco (Abeoc-PE).

Ela reforça que a atividade envolve uma cadeia produtiva grande e que será bastante afetada com a nova medida. Principalmente porque o setor passou por restrições e ficou suspenso ao longo de 2020 por conta da pandemia do coronavírus. “Não conseguimos mensurar as perdas que tivemos, mas os prejuízos são enormes. E agora que fomos pegos de surpresa? Imagine quantas costureiras estão finalizando vestidos, quantos buffets compraram os insumos, o pessoal das flores, dos docinhos, todo mundo já encomendou tudo. Pelo menos 50% dos evento já estão pagos. E isso em cima de um setor que vem sofrendo ardorosamente há 10 meses”, acrescentou.

Tatiana Marques reforça que os representantes do setor de eventos não são contra as fiscalizações. “Pelo contrário. A gente quer fiscalização, até porque cada evento que encontre tudo certo é ponto positivo para nós. E a gente não assina por irresponsabilidade de ninguém, por quem descumpre as regras sanitárias, temos compromisso com a vida”, ressaltou. A presidente da Abeoc-PE disse que ainda não há nenhuma reunião agendada com o governo do estado para tratar sobre a suspensão. “Mas vamos tentar conversar com o governo. O setor está desesperado”, concluiu.

 

Fonte: Diário de Pernambuco