Novo presidente da CNC garante foco em educação e Turismo

Novo presidente da CNC garante foco em educação e Turismo. O empresário amazonense José Roberto Tadros  tomou posse hoje(19/11) como presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O mandato vai até novembro de 2022 e ele obteve 24 votos (e apenas quatro contrários) na eleição no mês passado. Em entrevista ao Portal PANROTAS, Tadros, que está há 32 anos na CNC e há 51 no sistema (como associado ou dirigente regional), disse que o grupo que compôs sua chapa (e agora sua diretoria) estava apoiando o ex-presidente Antonio de Oliveira Santos, caso ele quisesse se candidatar a mais um mandato. Como ele não quis, o grupo fechou em torno do nome de Tadros, da Fecomercio-AM e da diretoria da CNC, como primeiro vice-presidente.
A família Tadros tem negócios na hotelaria, agenciamento de viagens e setor imobiliário no Amazonas e em outros Estados brasileiros. Ele já atuou em sindicatos regionais, já administrou o Sesc-AM e ocupou vários cargos na diretoria da CNC. A posse oficial ocorreu hoje, na sede da confederação, no Rio de Janeiro, e haverá uma outra, mais festiva, no dia 28 de novembro, em Brasília, com a presença de autoridades de todo o País e também as baseadas na capital federal.
“O processo eleitoral foi realizado sob o mais rigoroso respeito ao rito estatutário”, disse o agora ex-presidente, Antonio Oliveira Santos, considerado uma referência no setor e na própria CNC. “Desejamos que a nova diretoria possa realizar um bom trabalho, reafirmando a relevância da CNC para o País e a defesa dos empresários do comércio de Bens, Serviços e Turismo”, completou.
 
Nascido em Manaus, Tadros é formado em Direito pela Universidade do Amazonas e atua como empresário do setor terciário desde 1974. Além das suas atividades comerciais e sindicais, ele é autor e coautor de diversos livros e membro da Academia Amazonense de Letras, do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas e da Academia de Ciências, Artes e Letras do Amazonas.
Para ele, a CNC seguirá ampliando sua presença no debate nacional, com propostas concretas para atuar de forma assertiva no fomento ao desenvolvimento do Brasil por meio do fortalecimento do comércio. “Vamos dar sequência ao projeto de modernização, permitindo consolidar os avanços conquistados pela CNC e ampliar sua força e relevância”, disse o presidente eleito.
Continuidade, modernização e foco em educação são algumas das palavras que balizarão a nova gestão. Para valorizar a experiência de líderes com mais de 30 anos de experiência na CNC, Tadros criará um conselho, que ainda não tem nome (poderá ser Consultivo ou Superior), com essas lideranças, como o próprio Antonio de Oliveira Santos. “O conselho deverá aconselhar o presidente baseados nos percalços que sofreram no cargo ao longo doa nos”, disse Tadros.
O novo presidente reitera que todos os recursos da CNC são privados e que um dos maiores investimentos da confederação é em educação, o que será uma das bases de sua gestão. “Não podemos continuar com esse gap de sete anos entre a educação profissional do Brasil e a das nações desenvolvidas. Temos de incentivar a melhoria e a modernização da educação e também a criatividade de nosso povo, sempre tolhida”.
Roberto Tadros promete estimular um modelo que deu muito certo no Amazonas, com uma relação casada entre a Fecomercio, o Sesc e o Senac. Poucos sabem mas o Sesc não é focado somente em cultura e diversão, como o Turismo social, mas também na pré-escola, alfabetização, ensono fundamental e ensino médio. Além dessa integração, ele conseguiu também convênio com universidades da Argentina, para a parte de pós-graduação, mestrado e doutorado.
Tadros mora em Manaus e disse que passará a maior parte do tempo no Rio de Janeiro, onde está a sede da CNC e onde tem casa, com idas a Brasília e também a sua terra natal, pelo menos uma vez por mês. O novo presidente da CNC recebeu a PANROTAS em sua casa no Recreio dos Bandeirantes e promete se dividir também na Cidade Maravilhosa. “O Sesc e o Senac têm sede na Barra da Tijuca, e a CNC no centro da cidade, portanto estarei dividido entre esses endereços”.
 
José Roberto Tadros reitera o que vem sendo um investimento da CNC desde a década de 1950: “o Turismo é um dos setores mais importantes da economia e continuará sendo prioridade na CNC”. “O Turismo não esgota reservas, não destrói recursos e é distributivo, um dos que mais distribuem riquezas entre setores diversos e entre segmentos diferentes da população”.
Ele ainda acredita que muitos veem o Turismo com uma visão distorcida, não entendendo a contribuição que dá para toda a economia, do comércio à indústria.
Dos mais de mil sindicatos patronais que compõem a CNC, 144 são de Turismo e Hospitalidade, reunindo mais de 940 mil estabelecimentos de Hospitalidade e Alimentação fora do lar, entre outros setores. Desses sindicatos, 67 são associados via FBHA e outros 70 de Turismo e Hospitalidade via Fecomercios estaduais.
O Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur), da CNC, presidido por Alexandre Sampaio, da FBHA, é o braço operacional, de relacionamento institucional e político e de fomento aos debates na confederação. Por meio do Cetur, a CNC participou de mais de 20 eventos da indústria de Viagens e Turismo este ano, além de ter organizado uma série de debates no Rio de Janeiro, já pelo segundo ano.
“O conselho está em muito boas mãos. O Alexandre Sampaio é muito competente e articulado e tive o prazer em dar posse a ele, substituindo o Oswaldo Trigueiros, da Varig, em uma época que o doutor Antonio teve de se afastar temporariamente da presidência da CNC. Sampaio já está há muitos anos no conselho e sabe da importância de ter o comércio e o Turismo em relações carnais”, analisa.
O problema da segurança em vários destinos turísticos e cidades brasileiras é, segundo Tadros, uma prioridade. “Segurança é o principal para o Turismo. Não podemos continuar recebendo tão poucos turistas internacionais por conta disso”.
Sobre o novo governo, que assume o País em janeiro, ele torce para que tudo dê certo. “Do jeito que estava não podia continuar e indo contra o que diz o Tiririca pior que estava fica sim”.
O novo presidente da CNC promete ainda diretrizes nacionais para que as Fecomercio, Sesc e Senac tenham um mesmo foco e nível de investimentos, especialmente em educação. Por fim, Tadros promete continuar lutando pela melhoria das condições de trabalho no País. “Não aceito que um trabalhador ganhe R$ 1 mil. Precisamos defender a democracia e o capitalismo”, finalizou.

LIBERDADE DE ESCOLHA
 
Sobre a disputa judicial com a CNTur pela representatividade no Turismo, Tadros defende a posição da gestão anterior de que haja unicidade sindical, mas com liberdade de opção associativa. Ou seja, a representação sindical dos setores de Turismo e Hospitalidade permanece calcada na liberdade de associação de escolha dos sindicatos e federações, conforme último parecer judicial a favor da CNC, que tem mais de 140 sindicatos do setor de Turismo, Hospitalidade e Alimentação.


SOBRE A CNC

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), fundada em 4 de setembro de 1945, é a instituição sindical que representa cinco milhões de empresas do comércio de Bens, Serviços e Turismo, segmentos que, juntos, respondem por cerca de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e geram aproximadamente 25,5 milhões de empregos diretos e formais.
A CNC trabalha de forma integrada com 34 federações (27 estaduais e sete nacionais), que agrupam mais de mil sindicatos empresariais. A confederação administra, também, um dos maiores sistemas de desenvolvimento social do Brasil – o Serviço Social do Comércio (Sesc), com atuação nas áreas de educação, saúde, cultura e lazer, e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), com foco na educação profissional voltada para o setor do comércio de Bens, Serviços e Turismo.
 

NOVA DIRETORIA CNC

 
A chapa que tomou posse com Roberto Tadros tem a seguinte composição:
Presidente: José Roberto Tadros (AM);
1º vice-presidente: Francisco Valdeci de Sousa Cavalcante (PI);
2º vice-presidente: Luiz Carlos Bohn (RS);
3º vice-presidente: Lazaro Luiz Gonzaga (MG);
Vice-presidente administrativo: Luiz Gastão Bittencourt da Silva (CE);
Vice-presidente financeiro: Leandro Domingos Teixeira Pinto (AC);
Vice-presidentes: Abram Abe Szajman (SP), Darci Piana (PR), Edison Ferreira de Araujo (MS), José Arteiro da Silva (MA), Jose Lino Sepulcri (ES), José Marconi Medeiros de Souza (PB), Josias Silva de Albuquerque (PE) e Raniery Araújo Coêlho (RO);
1º diretor administrativo: Marcelo Fernandes de Queiroz (RN);
1º diretor financeiro: Marco Aurelio Sprovieri Rodrigues (SP);
2º diretor administrativo: Antonio Florencio de Queiroz Junior (RJ);
2º diretor financeiro: Ademir dos Santos (RR);
Diretores: Abel Gomes da Rocha Filho (SE), Aderson Santos da Frota (AM), Aldo Carlos de Moura Gonçalves (RJ), Alexandre Sampaio de Abreu (FBHA), Ari Faria Bittencourt (PR), Carlos de Souza Andrade (BA), Edgar Segato Neto (Febrac), Eliezir Viterbino da Silva (AP), Hermes Martins da Cunha (MT), Itelvino Pisoni (TO), Ivo Dall’ Acqua Júnior (SP), Jeferson Furlan Nazario (Fenavist), José Wesceslau Júnior (MT), Marcelo Baiocchi Carneiro (GO), Marcos Antônio Carneiro Lameira (AC), Maurício Cavalcante Filizola (CE), Sebastião de Oliveira Campos (PA);
Conselho Fiscal: Domingos Tavares de Sousa (TO), Lélio Vieira Carneiro (GO) e Valdemir Alves do Nascimento (AC);

Suplentes da Diretoria: Adeilton Feliciano do Prado (MS), Andre Luiz Roncatto (RS), Antonio Maria dos Santos da Silva Azevedo (AM), Conegundes Gonçalves de Oliveira (PI), Denis Oliveira Cavalcante (PI), Francisco Everton da Silva (CE), Francisco Jorge Neto (RR), Geraldo Vieria Rocha (GO), Gilberto de Andrade Costa (RN), Guilherme Marconi Coutinho de Souza (PB), Helton Andrade (MG), Jadir Correa da Costa (RR), Jorge Luiz das Neves Morais (RJ), José Alcides dos Santos (MS), Kelsor Gonçalves Fernandes (BA), Ladislao Pedroso Monte (AP), Leonel Soncin Junior (AC), Lucio Emilio de Farias Junior (MG), Marcantoni Gadelha de Souza (RN), Marcelino Ramos Araujo (MA), Maria Lúcia Dorta Pompeu (TO), Nilo Italo Zampieri Junior (AL), Nivio Perez dos Santos (Feaduaneiros), Osmar Santana Lima (RO), Paulo Roberto dos Santos (SC), Pedro Coelho Nasser (PA), Pedro José Maria Fernandes Wähmann (RJ), Rubens Torres Medrano (SP) e Valdir Pietrobon (Fenacon);

Suplentes do Conselho Fiscal: Alfeu Adelino Dantas Júnior (AP), Gladstone Nogueira Frota (RO), Luso Soares da Costa (RJ).
Presidente da CNC, José Roberto Tadros   - Crédito: Christina Bocayuva
Fonte: Panrotas