Vendas caem no setor de agenciamento turístico, mas perspectivas são positivas para 2015

A Copa do Mundo, a alta do dólar e as eleições fizeram de 2014 um ano atípico para o agenciamento turístico nacional. O primeiro trimestre, tradicionalmente fraco, desta vez apresentou volume maior em vendas, revelou o estudo “Indicadores Econômicos do Setor de Agenciamento Turístico Nacional 2014”, feito pelo Ipeturis (Instituto de Pesquisas, Estudos e Capacitação em Turismo) a pedido do Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo (Sindetur-SP). De acordo com Marciano Freire, presidente do Ipeturis, “houve uma inversão na lógica histórica de vendas”. Nos primeiros três meses do ano passado, o volume médio por empresa foi de R$1,04 milhão, no Brasil. No último trimestre, chegou a R$ 882 mil.
PERSPECTIVAS
De acordo com o estudo, para quase metade das empresas entrevistadas (48,8%), o primeiro trimestre de 2015 será melhor que o quarto trimestre de 2014, enquanto que para 28,4% será pior.
Para potencializar o desempenho em 2015, as empresas consultadas citaram como estratégias: ações de marketing e divulgação (71,7%), prospecção de novos clientes (68,5%), venda de novos serviços turísticos (29,8%), adotar incentivos variáveis na remuneração dos colaboradores (27,2%).
PERFIL DAS EMPRESAS
Classificadas pelo porte, conforme critérios do IBGE, as microempresas (52,7%) são maioria, seguidas pelas pequenas empresas (38,5%), e juntas representam 91,2% do universo das empresas do agenciamento turístico nacional.
As grandes e médias empresas, em conjunto, representam a minoria (8,8%).
A maior parte das empresas consultadas são agências de viagens (82%), seguidas pelas operadoras turísticas (15,6%) e consolidadoras (2,4%).
Em média, as empresas que participaram da pesquisa estão no mercado de agenciamento turístico há 17 anos, o que demonstra a solidez do setor. Em razão da expressiva presença das micros e pequenas empresas no universo estudado, o número médio foi de seis colaboradores por empresa em 2014. Houve aumento de 4% no número médio de colaboradores no quarto trimestre, em relação ao primeiro e ao terceiro trimestre.
VOLUME DE VENDAS

SERVIÇOS
Entre os serviços mais comercializados no ano passado pelas empresas de agenciamento turístico no país, as passagens aéreas ficaram em primeiro lugar, com volume médio de vendas de R$ 466 mil no ano. Em seguida, ficaram os pacotes turísticos, com volume médio de vendas de R$ 231,9 mil, e hospedagens com média equilibrada durante o ano de R$ 113,8 mil.

DESTINOS
Em 2014, foi registrada pequena vantagem nas vendas para destinos internacionais, com volume médio de vendas de R$ 469,9 mil, enquanto que destinos nacionais tiveram volume médio de vendas de R$ 465,7 mil.

AMOSTRA
Foram consultadas 716 empresas do setor ao longo do ano passado, trimestralmente, em 105 cidades, localizadas em 26 Estados e no Distrito Federal. Os resultados foram ponderados a partir da última declaração da RAIS, a fim de representar a totalidade das empresas de Agenciamento Turístico do País. O Estado de São Paulo concentra 204 empresas consultadas, seguido por Rio de Janeiro (83 empresas), Minas Gerais (56) e Paraná (52). A região Sudeste (49,2%) é a mais significativa na composição da amostra.
 
SOBRE O IPETURIS
Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, o Ipeturis tem como missão promover pesquisas, estudos e capacitação de mão de obra para o aprimoramento das atividades das atividades de viagens e turismo no Brasil.
SOBRE O SINDETUR-SP
Fundado há mais de 64 anos, é o representante legal da categoria econômica formada por mais de 7,9 mil empresas de turismo no Estado de São Paulo. Além de exercer as funções de representação das relações trabalhistas, previstas na Constituição, a entidade é foro permanente de estudos e debates da indústria do turismo, na perspectiva do seu desenvolvimento técnico e econômico.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *