Fórum de Turismo MICE discute o crescimento da América Latina no segmento

[Por Portal Eventos, 25/04/2013]
O crescimento do turismo na América Latina no setor de congressos e convenções foi discutido no Fórum Turismo MICE da WTM Latin America. O primeiro palestrante foi Marco Antonio Lomanto, Diretor de Produtos e Destinos – Eventos Internacionais da Embratur, que destacou o papel da entidade na promoção do Brasil como destino turístico, levando em conta cinco segmentos distintos: Sol e Praia; Ecoturismo e Aventura; Cultura; Esportes e Negócios e Viagens de Incentivo.
E para conseguir atingir este objetivo, já estão em licitação escritórios brasileiros no exterior em quase todos os continentes. Tratando-se especificamente do MICE (meeting,incentives, conferences, and exhibitions), a campanha busca consolidar o Brasil como um dos 10 destinos que mais recebem eventos internacionais, prolongar a permanência do turista proveniente de viagens de negócios e incentivos e aumentar o volume de divisas geradas por estas viagens. Para tanto, conta com a parceria de entidades do setor e universidades para a captação de eventos internacionais.
Lomanto também destacou os diversos estudos realizados pela Embratur sobre o impacto econômico e social causado pela realização de eventos tecno-científicos e esportivos no Brasil, além da colaboração do Sebrae na capacitação de mão de obra para atuar nestes eventos. Um grande problema ainda existente e que também foi citado é a grande necessidade do país de avançar em infraestrutura, investindo em Centros de Convenções para atender a demanda cada vez maior por estes espaços.
Arnaldo Nardone, presidente da ICCA, também participou do Fórum trazendo um panorama do turismo na America Latina. Segundo ele, a região vem tendo um crescimento acima da média mundial, investindo em infraestrutura, hotéis, aeroportos, centros de convenções, além de uma preocupação cada vez maior com acessibilidade.
Destacou também a importância da captação dos grandes eventos (Copa do Mundo e Olimpíadas) pelo Brasil, já que trarão benefícios para todos os países latino americanos. Isso porque uma maior exposição mundial da região irá trazer mais congressos, reuniões e eventos não só para o Brasil, mas para os países vizinhos também. Analisou ainda o crescimento do número de eventos regionais de 2002 a 2012 que foi de 131%, chegando a cerca de 100 por mês. Existe, porém, muito mercado para expansão, sendo somente necessário maior investimento no profissionalismo e na qualidade dos eventos realizados, promovendo uma propaganda positiva destes destinos junto ao mercado mundial.
Finalizando, Martin Sirk trouxe a visão geral do pensamento estratégico de diferentes partes do mundo com relação ao turismo. Segundo Sirk, o importante é focar na motivação do planejador de eventos para realizá-lo num determinado destino, assim como a motivação que leva os participantes a se interessarem pelo evento. Essa motivação é muito diferente do turismo de lazer, que visa às belezas naturais e os pontos turísticos. No turismo de negócios é importante a troca de conhecimento e a presença de líderes intelectuais, como ganhadores de prêmio Nobel e investidores em tecnologia de ponta, que tem um grande apelo junto a este público.Hoje, os eventos que mais tem sucesso são aqueles que entendem o cliente como parceiros intelectuais, organizando miniconferências onde experiências e conhecimento podem ser trocados entre os participantes.