Negócios lucrativos no mercado de eventos corporativos

[Por Exame, 27/02/2013]
As oportunidades no mercado de feiras, convenções e outros eventos corporativos.
O administrador paulista Marcelo Cohen, de 33 anos, já fez passeios de dar inveja a muita gente. Ele andou de camelo na região das pirâmides do Egito, nadou em meio aos recifes de corais no mar das Maldivas e conheceu quase todas as praias do Nordeste brasileiro.
Em nenhum desses casos as viagens foram a turismo. Ele aproveitou alguns intervalos que às vezes aparecem quando tem de fazer algum trabalho para a sua empresa, a Platinum Viagens e Eventos, que organiza convenções de empresas em resorts e hotéis do Brasil e do exterior. “Esse mercado está fervendo”, diz Marcelo. No ano passado, o faturamento da Platinum ultrapassou 82 milhões de reais — cerca de 30% mais que em 2011. “Neste ano, devemos atingir quase 100 milhões de reais”, diz ele.
Não faltam oportunidades para pequenas e médias empresas aproveitarem o momento para crescer no setor de eventos corporativos. É cada vez maior o número de convenções, feiras, congressos, viagens de negócios e eventos menores, como coquetéis para receber executivos e clientes estrangeiros.
Sozinho, o mercado de convenções cresceu tanto que hoje representa metade do faturamento dos resorts no país, onde acontecem boa parte das grandes convenções. Geralmente, elas duram três ou quatro dias, e servem para várias atividades, como lançamento de campanha de metas, cursos de liderança, apresentação de resultados e planejamento.
Em várias delas, é possível levar o marido ou a mulher. Nos intervalos, é hora de relaxar na praia, na sauna ou bater bola — e, claro, fazer contatos. “Os clientes nos encomendam convenções em que muitas vezes comparecem mais de 500 pessoas”, afirma Marcelo.
A Platinum atende grandes empresas, como Porto Seguro, Volkswagen e Mercedes-Benz. “Elas reúnem profissionais de todos os escritórios no país para encontros anuais”, diz Marcelo. A Platinum foi fundada em 2000, quando Marcelo percebeu que várias grandes empresas estavam terceirizando seus departamentos de viagens e de eventos.