Embratur realiza pesquisa para conhecer imagem do Brasil no exterior

[Por Brasilturis, 10/08/2012]
Praticamente um em cada três norte-americanos reconhece a Garota de Ipanema como uma canção brasileira. E cerca de um em cada cinco moradores dos Estados Unidos reconhecem ícones da nossa gastronomia: caipirinha, com 21% de reconhecimento e feijoada, com 20%. Na frente, como nossos principais “produtos turísticos”, seguem os chamados “atributos naturais”: Cataratas do Iguaçu com 27% e Floresta amazônica com 39%.
Os números são resultados de uma pesquisa realizada nos EUA, a pedido da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), com o objetivo de traçar estratégias de divulgação no segundo maior mercado emissor de turistas estrangeiros para o Brasil. O levantamento ouviu 1.045 pessoas, de todas as regiões dos EUA, entre os dias 16 e 23 de julho desse ano. O público da amostra, que é 52% feminino e 48% masculino, respondeu a perguntas estimuladas sobre vários aspectos característicos do Brasil.
“O resultado comprova que a Embratur acertou em reforçar a promoção, este ano, na gastronomia e cultura como ferramentas de promoção do país no exterior”, avalia o presidente do Instituto, Flávio Dino. “São duas de nossas apostas na projeção da imagem do país no exterior”.
Outro dado positivo revelado pela pesquisa é que a percepção positiva sobre o país é maior entre o público que veio ao Brasil. “Isso mostra que temos destinos turísticos qualificados, que satisfazem e fidelizam o visitante estrangeiro”, avalia Dino. Mais de 80% dos norte-americanos que visitaram o Brasil consideram que trata-se de um dos países mais interessantes da América do Sul. O índice cai a 62% entre os que não visitaram.
A pesquisa indica que 80% disseram que o Brasil tem as mais lindas florestas do mundo e 77% afirmaram que aqui é um bom destino para prática de esportes de aventura. No entanto, quase metade dos entrevistados (45%) não sabia dizer quais destinos brasileiros fazem parte das novas maravilhas do mundo. “Isso mostra que há uma boa margem ainda para incrementarmos a divulgação de destinos brasileiros nesse mercado, visando, obviamente, aumentar o ingresso de turistas norte-americanos”, avalia Dino.