Atividades artístico-culturais podem trazer benefícios aos eventos de fim de ano

[Segs, 04/ 12/2014]
Programar um evento de fim de ano demanda planejamento antecipado das metas a serem atingidas, do público esperado (se para funcionários de empresas, entidades ou instituições públicas) e do orçamento disponível para ser investido. Em todas as ocasiões, porém, é preciso analisar a inclusão de atividades artístico-culturais, que poderá resultar no diferencial e consequente sucesso da atividade, disse a diretora da Aplauzo Eventos, Helena Gentil.
Os eventos, de qualquer categoria ou tamanho, precisam alinhar perfeitamente planejamento, público e orçamento às atividades artístico-culturais, que tornam a ocasião ainda mais especial. “Cada uma das três etapas são fundamentais e possuem peculiaridades que devem ser respeitadas, consideradas pelos organizadores, lembrando que todas elas devem ter por objetivo final o sucesso do evento e a satisfação do contratante e de seus convidados”, comentou.
Helena Gentil afirmou que a inclusão de atividades artístico-culturais tem sido adotada por organizações privadas internacionais que atuam no país. Segundo ela, artistas são contratados não somente para eventos de fim de ano ou confraternizações específicas, como lançamentos de produtos e recepções a convidados estrangeiros, mas também para reuniões de trabalho que demandam a intervenção externa para tornar a ocasião “mais produtiva e agradável”.
“Esta prática é muito comum no exterior. Na Europa, por exemplo, vivenciamos esta experiência que, com certeza, torna o evento mais especial, marcante para todos que o prestigiam. Por aqui, temos inserido essas atividades artístico-culturais para os nossos contratantes, com resultados que considero bastante positivos. A participação de artistas poderá em breve ser presença obrigatória devido o resultado que temos identificados no mercado nacional”, declarou.
Na ocasião, Helena Gentil destacou ainda a importância da profissionalização de artistas que pretendem atuar neste mercado de trabalho. Para ela, é fundamental que os contratados possuam registro no Ministério do Trabalho (identificado como DRT) e, no mínimo, um ano de experiência neste tipo de atividade. “Aliás, profissionalização é fundamental em qualquer ocasião. Por isso, informamos aos interessados que procurem por empresas idôneas”, garantiu.
Geração de Emprego
Helena Gentil destacou que a atividade artístico-cultural em eventos de fim de ano pode representar até 23,8% da produção ativa de profissionais desta área de atuação durante todo o ano. Nesta época, segundo ela, as produções cênicas (teatro, dança e circo) costumam ser bem menores se comparadas a de outros períodos do ano, o que provoca férias coletivas (às vezes por períodos indeterminados; longos) e até mesmo a demissão de muitos profissionais.

“É comum encontrarmos profissionais sem ocupação nesta época do ano. Por isso, estes eventos absorvem a mão-de-obra, geram emprego e renda à categoria. Tem sido uma alternativa muito interessante aos que comumente contabilizam prejuízos justamente num período em que todos estão se programando para viajar ou comprar presentes de Natal. Por isso, há casos de profissionais que optaram somente por eventos”, finalizou a diretora da Aplauzo Eventos