ICCA: Países da AL devem se unir para captar eventos

[Por Mercado & Eventos, 24/04/2013]
Segundo Arnaldo Nardone, presidente da ICCA, em 2011 a América Latina teve uma evolução de 138% na realização de eventos – foram mais de mil. O mix de eventos está dividido em 339 internacionais e 717 regionais. Para ele, os eventos internacionais geram mais receitas, pois o visitante estrangeiro gasta mais. Porém é importante investir também em eventos regionais, para ajudar o desenvolvimento das captações. Dentro do Mercosul, o Brasil é o País que mais recebe evento, tendo 63% de representatividade. E é também o país que possui o melhor mix, sendo 56% de eventos regionais e 44% de internacionais.
De acordo com ele, o mercado de eventos é muito grande e os países latinos devem se unir para captar mais eventos, sejam eles internacionais ou não. “É preciso trabalhar em equipe. Temos que ser competitivos mas também cooperativos”, declarou. Pesquisa da ICCA aponta que a indústria de eventos é de US$ 900 bilhões, e que esse volume está concentrado em poucos países. “Há muito espaço para crescer”, afirmou.
Em relação à cooperação, o presidente destacou o intercâmbio de eventos e informações. “Temos que ser mais associativos e trocar informações. Não podemos ter medo dessa troca, é saudável e nos torna mais competitivos, pois, será preciso competência para captar os eventos”, disse.
Para Marco Lomanto, da Embratur, o Brasil precisa criar uma identidade única para captar eventos. “Não podemos esquecer das nossas dimensões continentais, mas também precisamos nos unir em ma única imagem para levar ao exterior, mostar que somos capazes de receber eventos em qualquer lugar e conseguir captar eventos para o País como um todo”, disse.