Rio lucra alto com o turismo

[Por O Dia, 02/01/2013]
Conforme dados do International Congress and Convention Association (ICCA), em 2012 a cidade voltou a ocupar a primeira posição no ranking das capitais brasileiras que mais atraem eventos
Rio – Terminada a Festa de Réveillon, que concentrou nas areias de Copacabana 2,3 milhões de pessoas — sendo 750 mil turistas —, o Rio de Janeiro começa agora a contagem regressiva para os grande eventos internacionais de 2013, que ocorrerão na cidade: Copa das Confederações, em junho; Jornada Mundial da Juventude, em julho; e Rock in Rio, em setembro, que prometem trazer milhares de turistas e movimentar ainda mais a economia fluminense.
Para a atual temporada de verão, que iniciou em dezembro e prossegue até março, a Secretaria Municipal de Turismo do Rio estima que 3,192 milhões de turistas visitem a Cidade Maravilhosa, gerando uma renda de US$2,636 bilhões. Na temporada anterior, foram 3,017 milhões de visitantes e US$2,233 bilhões de renda.
De 15 a 22 de setembro, a Cidade do Rock, na Barra da Tijuca, abriga uma nova edição do Rock in Rio. É esperado um público de 85 mil pessoas por cada noite do festival de música | Foto: Banco de imagens
Para a vinda do Papa, por exemplo, são esperados em torno de 700 mil turistas estrangeiros. Todos esses eventos, mais a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e as Olimpíadas de 2016, colocaram definitivamente a cidade e o Estado do Rio de Janeiro na rota dos grandes eventos e do turismo de negócios.
Cadeia produtiva agrega 56 setores do turismo
Em 2012, a cidade do Rio de Janeiro voltou a ocupar, segundo dados do ICCA (International Congress and Convention Association) a primeira posição no ranking de capital brasileira de eventos, depois de seis anos atrás da cidade de São Paulo. Superintendente do Rio Convention & Visitors Bureau, Paulo Senise assegura que esse é um processo sem fim. Segundo ele, os investimentos em infraestrutura e modernização de equipamentos devem ser uma constante por parte do poder público, já que a concorrência tanto interna quanto externa é diária.
“Hoje, o turismo de negócios cresce muito no Rio de Janeiro, muito por conta da pujança que o estado vem vivendo nos últimos anos, principalmente no setor de óleo e gás. Por isso, é necessário que o Rio mantenha um calendário de eventos importantes, para que o sistema possa ter uma sustentabilidade ao longo dos anos”, diz Senise.
Segundo ele, a cadeia produtiva do turismo envolve 56 setores, que podem se beneficiar cada vez, dos grandes eventos. O superintendente do Rio Convention destaca inicialmente o sistema financeiro, como bancos e empresas de cartões de crédito, o setor de transportes, fornecedores de toda a ordem, como segurança, tradução, hospedagem e alimentação.
“O país ainda precisa dar um salto de qualificação de mão de obra profissional. Mas há oportunidades para todos os setores e profissões”, acrescenta Senise.
Além das grandes realizações, ele cita os eventos corporativos como uma fonte de renda na cadeia produtiva. De acordo o superintende, a entidade tem uma lista de 106 registros futuros captados ou em captação para ocorrerem no Rio entre 2013 e 2018. “A captação de receita pode atingir os 298 milhões de dólares”, comemora.
Como exemplo, o executivo cita a realização do 21º Congresso Internacional de Odontologia, que reunirá em em julho, no Riocentro, os principais especialistas do setor no mundo e cerca de 30 mil participantes.
Barra ganha novo local de eventos
Em menos de um ano de funcionamento, o Centro de Convenções 02, na Barra da Tijuca, já tem uma taxa de ocupação de 70% ao mês.
O local comporta em formato plenária até 900 pessoas. Em eventos de lançamentos, feiras ou congressos é possível chegar até 1.500 pessoas, como ocorreu durante um lançamento imobiliário na região.
Os sócios Raquel Souto e Romério Fonseca, proprietários da Fulltime Comunicação e Eventos, investiram R$1,5 milhão na nova casa da Barra.
Mais de 20 mil quartos novos até 2016
A Cidade do Rio tem hoje cerca de 31 mil quartos de hotéis em operação. A Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH-RJ) estima que até 2016 a cidade supere esta oferta de leitos em cerca de 50%. Hoje, são mais de 100 novos hotéis em construção ou processo de licenciamento.
A expansão sai do eixo Copacabana/Barra e se direciona para o Centro e Zona Norte, como é o caso do Maracanã e da Ilha do Governador, por exemplo.
“Estimamos que cada novo quarto de hotel gera cerca de quatro empregos, sendo um direto e três no setor de receptivo turístico. Com o aumento da demanda, há também impacto secundário em setores como comércio e transporte, por exemplo”, explica o presidente da ABIH-RJ, Alfredo Lopes.
Um dos pleitos da entidade é a construção de um centro de convenções na Zona Sul, para atender à demanda do mercado, assim como a consolidação do calendário de eventos durante todo o ano na cidade.
Empresas e profissionais serão capacitados em cursos do Sebrae
Aprimorar a gestão e promover a certificação de micro e pequenas empresas do segmento de eventos é o objetivo do projeto desenvolvido pela Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC Brasil), aprovado pelo Sebrae, no final do ano passado.
O Projeto de Qualificação em Gestão e Certificação de Micro e Pequenas Empresas de Eventos vai receber do Sebrae Nacional, a partir deste ano, investimentos na ordem de R$ 2,4 milhões.
O projeto prevê a realização de um evento nacional e 12 eventos nos estados onde será desenvolvido: Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
“As empresas associadas à ABEOC Brasil poderão participar do projeto, que prevê oficinas de capacitação em gestão e consultorias, visando à profissionalização tanto das empresas quanto dos profissionais que atuam com eventos e a certificação pelo Selo de Qualidade ABEOC Brasil, informa a presidente da entidade, Anita Pires.