Recorde em maio, gastos de estrangeiros chegam a US$ 3 bilhões no ano

[Por Brasilturis, 22/06/2012]
Será que é motivo assim para comemoração ? Considerando-se a situação do turismo internacional até pode ser, se for observado o panorama do potencial brasileiro em crescimento e afirmação, nem tanto. No acumulado do ano, com os US$ 532 milhões de maio, a receita cambial do turismo neste 2012 cresceu 7,41%. No quinto mês do ano, onde em 2011 foram U$ 527 milhões, 0,97% a mais.
Na receita do Banco Central são considerados os gastos dos estrangeiros com cartão de crédito e trocas de moedas. Em relação comparada de janeiro a maio, os US$ 3 bilhões de 2012 tiveram 7,41% a mais dos primeiros cinco meses de 2011, com US$ 2,8 bilhões.
Como o otimismo tem que ser mantido, os grandes eventos passam a ser parte da aposta. Na Rio+20 que está terminando hoje (22), a capital carioca teve um movimento estimado de R$ 60 milhões. Há um porém e ele é de críticas: estrangeiros que vieram criticaram muito a organização da conferência e a própria estrutura, em quesitos como a área destinada à imprensa internacional e condições de trabalho. Houve também a situação da hotelaria, onde as reservas estiveram à beira do caos, com um conflito evidente com a hotelaria carioca. Teve que ser feita uma interferência direta da Presidência da República.
Na avaliação do presidente da Embratur, Flávio Dino, eventos como a Rio+20, ajudarão o país a alcançar a meta de US$ 7 bilhões de entradas de divisas para este ano. “A escolha do Brasil como sede de megaeventos e o sucesso na realização do primeiro deles, a Rio+20, tem mostrado ao mundo que somos um destino qualificado para a realização de feiras e congressos”, avalia. “O turista que vem a negócios tem uma média de gasto superior que o turista a lazer, o que deve influir positivamente na entrada de divisas.”
O Brasil já é o 7º país que mais recebe eventos internacionais, segundo ranking da ICCA (Associação Internacional de Congressos e Convenções). De 2010 para 2011, o Brasil saltou de 257 para 304 eventos – em 57 cidades brasileiras.
Dino considera que o aumento na entrada de divisas vêem acompanhando a chegada de turistas estrangeiros no Brasil. “Em 2011 tivemos crescimento de 14% no gasto dos visitantes internacionais e 5% a mais de turistas em nossos destinos, um nmero acaba influenciando o outro.