Eventômetro evidencia a falta de um centro de convenções em Maringá

[Por  Revista Eventos, 02/02/2017]
O Maringá e Região Convention & Visitors Bureau é, desde 2014, o articulador da comissão que trabalha para sensibilizar os poderes públicos e privados e a sociedade sobre a importância econômica para a cidade de contar com um centro de convenções. Para mostrar a falta que esse espaço para sediar eventos faz para o município, o Convention hospedou em seu site (www.maringacvb.com.br) um módulo denominado Eventômetro (desenvolvido pela Web Ingá, filiada ao Convention).
Com esse mecanismo é possível mensurar, por segundo, quanto Maringá deixa de ganhar em virtude da ausência de um centro de convenções. A contagem teve início no primeiro dia de 2017 e na manhã desta quarta-feira (1° de fevereiro) os valores já superavam a marca de R$ 1,7 milhões.
O presidente do Convention, Dirceu Gambini, explica que o Eventômetro é uma maneira de conscientizar as lideranças locais sobre a necessidade do centro de convenções para o desenvolvimento o setor de turismo e eventos. “Esse cálculo do Eventômetro é simbólico e feito em um cenário que considera apenas a realização de um evento no local por mês. Ou seja, a circulação de dinheiro no município tende a ser muito maior a partir da construção desse equipamento”, esclarece.
Segundo Gambini, “por ano, ao menos R$ 20 milhões deixam de circular na cidade sem o centro de convenções. São recursos que seriam divididos em mais de 40 segmentos, como buffets, rede hoteleira, empresas de comunicação, restaurantes, empresas de decoração, transportes, equipamentos de luz, áudio e vídeo, por exemplo”.
Mobilização
No dia 24 de janeiro, o prefeito Ulisses Maia nomeou um grupo que vai estudar a implantação do centro de convenções no município. A nomeação ocorreu durante reunião com os secretários de Inovação e Desenvolvimento Econômico, Francisco Favoto, de Planejamento e Urbanismo, Celso Saito, do superintendente do Aeroporto, Fernando Rezende, além de representantes do Convention, Acim e Codem.
Formada por representantes dessas entidades, a comissão coordenada pelo Convention apresentará, até o fim de março, um relatório apontando a melhor localização para a instalação do centro.