Especialistas debatem estatísticas do Turismo na Câmara

[Por MTur, 04/12/2013]
O desenvolvimento da Conta Satélite do Turismo (CST) no país foi tema, nesta quarta-feira (04), de audiência pública na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados. Especialistas das entidades envolvidas com o tema falaram sobre a importância do aperfeiçoamento de um sistema de estatísticas que permita uma visão mais realista do impacto da atividade turística na economia nacional.
O diretor de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo, José Francisco Lopes, disse que a Conta Satélite vai compatibilizar as estatísticas do turismo com o Sistema de Contas Nacionais, que reúne informações sobre os diversos setores da economia. Segundo ele, está em andamento também o processo de harmonização destas estatísticas com os países do Cone Sul, seguindo orientações da Organização Mundial de Turismo (OMT).
“A CST vai fornecer uma visão mais completa da indústria do turismo e de suas relações com as demais atividades produtivas do país”, explicou o professor da Universidade de São Paulo e pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Décio Kadota. A Fipe realiza para o MTur as pesquisas de demanda internacional e doméstica, que analisa o perfil, gastos e hábitos do turista nacional e estrangeiro.
A pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Margarida Hatem Pinto, apresentou aos parlamentares o Sistema de Informações sobre o Mercado de Trabalho do Setor do Turismo (SIMT). O estudo dimensiona o emprego e identifica o consumo do turismo dentro das Atividades Características do Turismo (ACTs), divididas em oito ramos de atividades, tais como transportes, hospedagem, alimentação, agências de viagens e entretenimento.
O presidente da CTD, deputado Valadares Filho, ressaltou a importância da parceria entre governo e academia para aumentar o nível de informações sobre o turismo nacional. Segundo ele, a realização dos grandes eventos representam um “momento singular” para o setor “que está em plena expansão” no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *