Embratur investe na promoção de cidades históricas

[Por Aquarela 2020, 03/06/2013]
A cultura é uma das principais marcas de identificação do Brasil no mundo, como apontam diversas pesquisas realizadas no exterior pela Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo). “E como não aproveitar nossas belezas culturais que já são reconhecidas internacionalmente por sua beleza única”, afirmou o presidente da Embratur, Flávio Dino, referindo-se aos bens definidos como Patrimônios Culturais da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Cultura e Ciências). “Nesse campo, o Brasil já tem um vasto potencial muito pouco explorado”.
Para tornar concretas essas vantagens comparativas, a Embratur realizou, nesta segunda-feira (3), em Brasília, um encontro com representantes de prefeituras e autoridades locais responsáveis pela preservação de patrimônios culturais. Durante o encontro, Dino anunciou que a Embratur vai realizar um edital para disponibilizar R$ 2 milhões para apoio a ações de promoção, durante os megaeventos, dos patrimônios mundiais situados no Brasil. “É uma oportunidade única, em gerações e gerações, de exposição do Brasil para mundo”, lembrou o presidente.
Além do edital, a chefe de gabinete da Embratur, Kátia Bitercourt, listou uma série de ações que serão realizadas para promover esses destinos de turismo cultural. As ações propostas abrangem a realização de workshops, press trips, novas peças publicitárias, e um catálogo especial sobre os destinos. “Queremos que a secretarias destas cidades executem conosco esta série de ações. Estamos planejando também um evento promocional no exterior para mostrar aos mundo a cidades patrimônios mundiais da Unesco no Brasil”, anunciou a Kátia.
Kátia usou como exemplo a parceria da Embratur com as secretarias de turismo de Brasília e Pirenópolis – que levou, no final do ano passado, uma exposição com fotos das cidades à sede da ONU, em Nova York. “ Queremos agora diversificar o uso das ferramentas promocionais de forma que possamos aumentar a visibilidade do destino”, argumento a chefe de gabinete.
Atualmente o Brasil conta com seguintes destinos considerados Patrimônios Culturais da Humanidade: a Cidade Histórica de Ouro Preto (MG) (reconhecido em 1980); o Centro Histórico de Olinda (PE) (reconhecido em 1982); as Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões (RS) (1983); o Centro Histórico de Salvador (BA) (1985); o Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo (MG) (1985); o Plano Piloto de Brasília (DF) (1987); o Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato (PI) (1991); o Centro Histórico de São Luis (MA) (1997); o Centro Histórico da Cidade de Diamantina (MG) (1999); o Centro Histórico da Cidade de Goiás (GO) (2001); a Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão, (SE) (2010); e, por último o Rio de Janeiro, primeiro Patrimônio da Humanidade a ser reconhecido na categoria Paisagem Urbanística, pelas com as paisagens cariocas entre a montanha e o mar (2012).