Sedes da Copa-14 não aplicam verba do governo para turismo

[Folha de S.Paulo, 09/04/2013]
Faltando 15 meses para a Copa-14, o Brasil não conseguiu gastar um real em obras para melhorar a recepção dos turistas durante o evento.
A expectativa do governo é que 3,7 milhões de turistas visitem as cidades-sedes no torneio, sendo 600 mil estrangeiros. A previsão é que eles gastem R$ 9,4 bilhões.
Para melhorar a vida dos turistas no país, foram destinados R$ 125 milhões para projetos de sinalização turística, criação de centros de atendimento e obras de acessibilidade para os visitantes. Na parte da sinalização, havia projeção para que as placas fossem bilíngues.
Esses projetos de turismo são parte da chamada matriz de responsabilidades da Copa, documento que representa os compromissos que o país assumiu para organizar o evento. Os gastos com o Mundial foram estimados em R$ 33 bilhões.
Os rotineiros atrasos no planejamento da Copa, para que o Brasil foi escolhido em 2007, levaram o Ministério do Turismo a só começar a assinar convênios com as cidades em julho passado.
Esses convênios garantem que o governo repassará os recursos para as obras. Cabe às cidades contratar as empresas que vão executá-las.
A primeira cidade a ter convênio assinado foi o Rio, para onde estão destinados R$ 19 milhões para os projetos.
Mas a prefeitura da cidade que recebe o maior número de turistas do Brasil não usou a verba. Nem sequer as licitações foram feitas.
Em 2012, o Ministério do Turismo assinou os convênios com todas as outras 11 cidades, mas, até o fim do mês passado, nenhuma executara uma obra sequer.
A perspectiva é que nada estará pronto nas seis cidades que vão receber a Copa das Confederações, em junho. Há temor no governo de que parte das obras para turistas não esteja concluída em 2014, a tempo do evento.
OUTRO LADO
O Ministério do Turismo justificou que os contratos só começaram a ser assinados em julho passado porque só a partir de março daquele ano o governo liberou o início da realização de convênios.
A pasta informou que a execução caberá a cada cidade até abril de 2014, que “tem articulado constantemente com os municípios visando acelerar a execução dos contratos” e não vê risco de não estarem prontos até a Copa.
A Secretaria de Turismo do Rio informou que seus projetos “se encontram em fase de aprovação pela Caixa Econômica Federal para serem posteriormente licitados e, por conta disso, ainda não houve gastos nos programas”.
O governo do DF informou que começou a instalação de placas de trânsito para a Copa com recursos próprios.
Já os recursos do Ministério do Turismo serão usados para placas turísticas. Segundo o governo, os projetos estão em fase de licitação.
A Prefeitura de São Paulo informou que o contrato para o convênio foi assinado e o projeto está em tramitação.
Contatadas pela reportagem na terça, as demais prefeituras não responderam.