Demanda aérea global cresceu 2,7% em janeiro e ocupação foi de 77,1%.

[Por Business Travel, 07/03/2013]
A IATA divulgou as estatísticas de tráfego para o mês de janeiro de 2013, mostrando que a demanda global por viagens aéreas aumentou 2,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, pouco acima da expansão de 2,2% registrada na capacidade. Globalmente, as companhias aéreas operaram com uma taxa média de ocupação de 77,1%. A forte demanda tradicionalmente gerada pelo Ano Novo Chinês distorceu os números de janeiro. Em 2012, o Ano Novo Chinês caiu em janeiro e neste ano em fevereiro. Após ajustar esse fator sazonal, a IATA estima que o crescimento de janeiro teria sido de 3,5%, mesmo assim inferior à média de 5,3% do ano de 2012.
“Viagens de passageiros estão crescendo acompanhando os níveis de confiança dos negócios. Os últimos meses registraram alguns sinais econômicos positivos emergindo tanto nos EUA quanto na China e a crise na Zona do Euro parece ter se estabilizado. Claro que os riscos permanecem: o impacto nos cortes orçamentários dos EUA e o alto preço dos combustíveis. Mas mesmo com essas ameaças reais e potenciais, continuamos vendo apoio para um contínuo e potencial crescimento”, disse Tony Tyler, CEO e diretor geral da IATA.
Os mercados internacionais superaram a média global da indústria em janeiro, com um crescimento de 3,7% na demanda para uma elevação de 2,7% na oferta e uma ocupação média de 77,6%. Na Ásia Pacífico o aumento foi de +0,1%, distorcido pelos números do Ano Novo Chinês. O Oriente Médio registrou o maior aumento de demanda em janeiro (+14,3%) e as companhias aéreas da África tiveram crescimento de 9,4%. Na América do Norte o aumento foi de 1,5%, mesmo com uma redução de 0,8% na capacidade. Na Europa, as companhias aéreas registraram um aumento de 2,1% na demanda, para uma elevação de 0,4% na oferta.
A América Latina registrou o segundo maior crescimento em demanda em janeiro (+12,2%), apesar desse aumento ter sido ultrapassado pelo incremento na capacidade da região (+13,7%), gerando uma taxa média de ocupação de 79,0%, menor apenas que a registrada pelas companhias aéreas na América do Norte. O crescimento na América Latina foi alimentado por economias em expansão – particularmente Bolívia, Chile, Colômbia e Peru -, onde baixas taxas de desemprego elevaram a demanda dos consumidores.
Em janeiro, o tráfego aéreo doméstico de passageiros cresceu 1,1%, pouco menos que a expansão de 1,4% na capacidade, gerando uma taxa média de ocupação de 76,4%. O tráfego aéreo doméstico chinês aumentou apenas 0,1% em relação a janeiro de 2012, percentual distorcido pelo problema de calendário do Ano Novo Chinês. O Japão apresentou um declínio de 3,0% em tráfego doméstico, para uma redução de 2,9% na capacidade e uma ocupação de 56,4%. O mercado doméstico japonês contínua 12% abaixo do nível pré terremoto e tsunami. Na Índia, a demanda registrou declínio de 4,9% para uma redução de 5,3% na oferta. Já nos EUA a demanda doméstica cresceu 3,2%, para uma expansão de 2,4% na capacidade, gerando uma taxa média de ocupação de 78,8%, a mais alta entre todas as regiões. No Brasil, a demanda doméstica teve contração de 3,7% em relação a janeiro de 2012, para um corte de 9,1% na capacidade.