Rio de Janeiro pode se tornar polo latino-americano em 2030, aponta estudo

[Por iBahia, 26/10/2012]
Será que a “cidade maravilhosa” continuará digna deste título nas próximas décadas? Um estudo realizado pela Siemens indica que sim. O relatório Picture of the Future Rio 2030-2040 (Retratos do Futuro Rio 2030-2040), que deve ser lançado em novembro, destaca que, “se as medidas corretas continuarem a ser aplicadas e outras melhorias implantadas, especialmente na educação, saúde, infraestrutura e estímulo para o desenvolvimento econômico”, a cidade do Rio de Janeiro pode se tornar a capital latino-americana do turismo de negócios, pesquisa de alta tecnologia e centro de desenvolvimento até 2030.
Para conseguir concretizar as previsões do relatório, a cidade precisa superar alguns desafios para atingir uma maior inclusão social, chave para o desenvolvimento.
Em verdade, o título concedido à capital fluminense não reflete de todo a situação da cidade. Desde que perdeu o posto de capital brasileira, segundo informações preliminares do relatório, o Rio de Janeiro sofre com a falta de segurança, problemas econômicos e sociais.
“Mas, nos últimos anos, ela [cidade] foi prosperando novamente e agora está no caminho certo para se tornar um portal sustentável e inovador para a América Latina e um modelo para as grandes cidades da região”, antecipa a organização responsável pelo relatório.
Para tanto, os grandes potenciais do Rio vão desde a proximidade com São Paulo, cujas novas tecnologias do transporte podem auxiliar na formação de um cluster regional, até as recentes descobertas no pré-sal, uma vez que as mesmas devem tornar a cidade referência mundial no setor.
“Outra tendência detectada é a do papel cada vez maior que o Rio desempenha no caminho para ser um hub de inovação e P&D na América Latina para petróleo/gás, TI, soluções biotecnológicas e acessíveis”, destaca o documento.
Palco de grandes eventos como a Rio+20, realizada em junho, a Jornada Mundial da Juventude (2013), a Copa do Mundo (2014) e as Olimpíadas (2016), na quarta década do século 21, o Rio deve aumentar a sua liderança como um hub para o turismo internacional, principalmente a América do Sul. A cidade deve ainda consolidar sua posição de anfitriã regular do continente para eventos, feiras e conferências internacionais.
Desafios
No entanto, para conseguir concretizar as previsões, a cidade precisa superar alguns desafios para atingir uma maior inclusão social, chave para o desenvolvimento. Esses gargalos concentram-se nas áreas de segurança, transporte e educação.
Segurança – A pacificação da cidade, iniciada com a implantação de unidades policiais em favelas dominadas pelo tráfico, representa uma maior inclusão social, de acordo com o relatório. O estudo reforça ainda a necessidade de essas áreas permanecerem sob esforços contínuos de integração e acesso aos serviços básicos, tais quais a saúde e a educação. A segurança em longo prazo é conquistada somente quando aliada às oportunidades econômicas e de integração, diz o documento.
Transporte – A modernização e integração da rede de transporte são pré-requisitos básicos para a inclusão social na cidade, cuja locomoção pode chegar a levar horas entre as áreas periféricas e centrais.
Educação – A economia dinâmica do Rio levou à cidade a enfrentar uma escassez de mão de obra altamente qualificada. A educação de qualidade, enfatiza o estudo, é essencial para levar a capital fluminense para outro nível de competitividade.
Processo
O relatório foi elaborado a partir de 80 entrevistas, conduzidas por especialistas da Siemens, com líderes de opinião e especialistas do Rio de Janeiro, em diferentes domínios, especialidades e utilizações. A metodologia usada para a confecção de Retratos do Futuro Rio 2030-2040 possui vários estágios e é baseada em duas etapas principais: a extrapolação das tendências, derivação de hipóteses e desenvolvimento de cenários; e a retropolação para obter facilitadores atuais para alcançar a visão de futuro.
O estudo objetiva apresentar a perspectiva da tecnologia em soluções para os desafios mais prementes dessa região. A Siemens realiza a pesquisa Pictures of the Future desde 2001 em todo o mundo, a fim de explorar as tecnologias que deverão moldar a vida no futuro.