Começa no Rio de Janeiro a Rio Oil & Gas

[Por Sebrae, 17/09/2012]
Com participação de 51 países, a Rio Oil & Gas Expo and Conference vai discutir as principais questões do setor de petróleo no mundo e realizar a aproximação entre fornecedores e compradores da cadeia produtiva. Com parceria do Sebrae – que levou um estande para expor produtos e serviços de pequenos negócios para as gigantes do setor –, o evento começou nesta segunda-feira (17) e segue até quinta-feira (20), na capital fluminense.
A Rio Oil & Gas acontece a cada dois anos e reúne uma exposição com produtos e serviços para o setor petrolífero e uma conferência sobre as perspectivas para o setor no próximo anos, com discussões sobre, por exemplo, os combustíveis renováveis e o papel da indústria do petróleo no desenvolvimento econômico sustentável.
Na abertura do evento, o presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), instituição que realiza a Rio Oil & Gas, João Carlos de Luca, destacou que “a indústria do petróleo, apesar de estar em expansão, precisa crescer com desenvolvimento sustentável e capacitação de empresas nacionais a fim de ser mais competitiva”.
Para a diretora da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Magda Chambriard, o Brasil vive um momento extraordinário no setor, “porém o país tem potencial para crescer muito mais”. Segundo ela, apenas 5% das reservas de petróleo estão sendo exploradas. “Temos indícios suficientes para saber que podemos ir muito além do pré-sal”. Ela disse ainda que há um excelente mercado para combustíveis líquidos, diesel, gasolina, etanol, biodiesel, “cujos negócios devem dobrar na próxima década”.
Na opinião do presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouveia Vieira, é necessário assegurar a competitividade do parque industrial brasileiro e garantir mão de obra qualificada. “A indústria tem pressa. As empresas vêm se comprometendo em cumprir as exigências de conteúdo local. Por isso é urgente que se faça nova rodada de licitações. A inexistência de novos projetos gera um cenário de incertezas”, observou.