Copa e Olimpíadas devem gerar 250 mil empregos permanentes

[Por Fecomércio, 02/09/2011]
Fecomercio debate oportunidades geradas com a realização dos maiores eventos esportivos do mundo
São Paulo, 02 de setembro de 2011 – Entender os gastos e o perfil de consumo dos estrangeiros que visitam o País é fundamental para gerar mais empregos, renda e benefícios para a população. Foi com base nesse argumento que o Conselho de Turismo e Negócios da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) realizou o evento “Turismo: Perspectivas no Brasil e o Impacto dos Megaeventos Esportivos”, na manhã de hoje (2/9), na sede da entidade. “Com a proximidade da Copa do Mundo e das Olimpíadas, analisar o consumo dos turistas é muito importante para aproveitarmos as oportunidades de negócio que irão surgir por sediarmos os maiores eventos esportivos do mundo”, afirma Jeanine Pires, presidente do Conselho.
O economista Caio Megale, do Banco Itaú, estima que a realização dos megaeventos deve gerar 250 mil empregos permanentes, e um volume ainda maior de trabalhos temporários. “Os primeiros empregos estão surgindo no setor de infraestrutura e construção, mas depois serão beneficiados os setores de comércios e serviços”. Megale aponta que além dos benefícios em infraestrutura, os megaeventos esportivos deixarão um legado de hotéis, restaurantes e outras lojas que precisarão de funcionários. “Ao longo dos próximos quatro anos, veremos um crescimento da economia de 1,5% a mais do que veríamos se não sediássemos a Copa e as Olimpíadas”, aposta. “A corrente de comércio do País deve crescer 30%.”
Quanto ao turista que os jogos irão atrair, Luiz Gustavo Barbosa, coordenador do Núcleo de Turismo da Fundação Getulio Vargas (FGV), afirma que os estrangeiros que vem para acompanhar a Copa tem um perfil muito diferente daqueles interessados nas Olimpíadas. “O público que virá para a Copa, na maioria é de homens, jovens, solteiros, com recursos e altamente escolarizado, que virão dispostos a gastar e gastarão mais do que a média dos turistas”, revela. “Já as Olimpíadas atraem um número menor de visitantes e na maior parte são famílias que acompanham os atletas. Ver os filhos, os irmãos, tentar quebrar recordes.”
A Visa participou do evento apresentando duas pesquisas inéditas sobre os gastos dos estrangeiros no Brasil e dos brasileiros no exterior. “Os estrangeiros gastaram US$ 2,1 bilhões no Brasil em 2010 por meio dos cartões Visa”, revela Jennifer McGowan, diretora de Relações Corporativas da Visa para a América Latina e o Caribe. “Os americanos foram responsáveis por 23% desses gastos.” Jennifer também afirma que os estrangeiros se preocupam se o País tem uma economia forte, se é fácil agendar voos e com a qualidade dos hotéis, antes de decidir seu destino. Pontos esses que o Brasil precisa progredir. O presidente da Visa no Brasil, Rúben Osta, pondera, entretanto, que o País já está fortemente inserido na economia mundial e que, com a realização da Copa e das Olimpíadas, tem uma oportunidade ímpar para progredir ainda mais.
O problema, segundo Barbosa, é que o Brasil ainda não decidiu qual a imagem que quer passar para o mundo. “Somos um País verde? Moderno? Inovador? Um País de negócios, com modernos parques tecnológicos ou algo mais lúdico, focado no turismo?”, questiona. “Ainda somos um ponto de interrogação.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *