Força-tarefa traz relatório para mover o setor de feiras em direção a um futuro mais sustentável

Uma ampla força-tarefa intersetorial divulgou em setembro um relatório identificando as principais áreas de foco para apoiar a transição da indústria de feiras B2B para uma economia mais sustentável e de baixo carbono.

O relatório, intitulado “Encontrando o futuro juntos: rumo a uma indústria de feiras B2B mais sustentável nos EUA e no Canadá”, cria uma base de dados e conhecimento para tomada de decisões, compartilhamento de conhecimento e ação, destacando os impactos ambientais mais significativos do setor.

Ele também mostra os passos que a indústria já tomou para lidar com esses impactos e identifica 30 passos de curto e longo prazo para garantir um futuro mais sustentável.

A força-tarefa, criada em 2018, é uma colaboração informal entre 14 organizações de todo o setor, incluindo organizadores de eventos, locais, empreiteiros de serviços gerais e associações.

“A indústria de feiras B2B oferece enormes benefícios sociais e econômicos e é um mecanismo essencial para conexão, transferência de conhecimento, comércio, educação e emprego”, apontou Heather Farley, presidente do Comitê de Sustentabilidade SISO e COO da Access Intelligence.

Como todas as indústrias, sabemos que nosso impacto também se estende ao meio ambiente e que, por meio do trabalho e da parceria de forma colaborativa, podemos continuar progredindo em direção a um futuro mais sustentável e de baixo carbono”, completou.

O programa de pesquisa independente de dois anos do relatório identificou os maiores impactos ambientais da indústria de feiras B2B dos EUA e Canadá como:

Carbono: Emissões de gases de efeito estufa (GEE) do transporte dos participantes, principalmente voos, bem como o uso de energia nas instalações e logística, onde o estudo se concentrou no transporte dos armazéns de empreiteiros de serviços gerais (GSC) para o local.

Resíduos: Gerados em centros de eventos (por exemplo, resíduos de feiras, resíduos de catering) e em armazéns onde muitos dos materiais e estandes são construídos e fornecidos.

Construção do estande: Inclui materiais do estande (como carpete), métodos de construção, transporte, reutilização e outras variáveis.

Com esses impactos identificados, a força-tarefa explorou 30 ações de curto e longo prazo para adoção em todo o setor que ajudarão a melhorar a sustentabilidade coletiva do setor, incluindo:

 

Transição para eletricidade renovável em todas as partes da cadeia de suprimentos de transporte

Criar metas com prazo determinado para atingir zero carbono líquido e passar para um modelo mais circular, eliminando gradualmente materiais insustentáveis

Implementação de um acordo em todo o setor sobre especificações de design e material de estandes e equipamentos e materiais comumente usados

Otimizar a logística, economizando combustível, tempo e dinheiro e reduzindo a poluição do ar

Colaborar com cidades anfitriãs e indústrias parceiras importantes, como companhias aéreas e hotéis, para fazer a transição para um sistema de transporte de baixo carbono e reduzir o lixo gerado

Investir em infraestrutura para apoiar a reciclagem de resíduos e a eficiência energética

Otimizar os padrões do setor para design, dados e métricas sustentáveis

A força-tarefa espera que o relatório seja uma contribuição significativa para outros programas colaborativos que apoiam a transição para uma indústria de eventos responsável e liderada pela economia circular com zero carbono líquido. Os primeiros programas de colaboração dignos de nota incluem:

 

Eventos de Carbono Zero Líquido ( www.netzerocarbonevents.org )

Centro de Sustentabilidade e Impacto Social da EIC ( www.eventscouncil.org/sustainability )

Grupo de Desenvolvimento Sustentável da UFI ( www.ufi.org/susdev )

O relatório completo (em inglês) pode ser baixado aqui .

 

 

Fonte: Portal Radar