Setor de eventos ganha mais flexibilização em Pernambuco

O mercado de eventos corporativos de Pernambuco ganha um novo fôlego para retomar suas atividades de forma gradativa. A partir da próxima segunda (9), entra em vigor uma nova fase do Plano de Convivência com a Covid-19 no Estado, com a ampliação no número de participantes de eventos desse perfil, que sai de 300 pessoas para 400, ou 70% da capacidade do espaço, com prioridade para o que for menor.

 

Eventos sociais continuam limitados a 100 pessoas, mas teve o percentual ampliado para 70% da capacidade do espaço. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos de Pernambuco (Abeoc-PE), Tatiana Marques, o avanço no plano de convivência nesse segmento vai permitir a inserção de um novo grupo do setor. “As casas de eventos que estavam fechadas, com essa ampliação do percentual, poderão, agora, retomar suas atividades. Isso é um avanço muito significativo rumo ao desenvolvimento do setor como um todo”, explica Marques.

 

Com relação ao aumento do público e percentual em eventos corporativos, Tatiana acredita que essa nova flexibilização vai permitir, além de um melhor planejamento para o setor, a possibilidade de reduzir os custos da realização desses eventos. “Quando você aluga um som, por exemplo, para um evento de 300 pessoas, o custo desse serviço é o mesmo de um evento para 500 pessoas. Então, quando você tem a oportunidade de ao invés de 300, diluir esse custo para 400 pessoas, o custo desse evento reduz muito”, explica a presidente da Abeoc-PE.

 

Além do aumento no número de pessoas em eventos corporativos e ampliação da capacidade de 50% para 70%, o governo de Pernambuco atendeu ao pleito da classe artística formada por músicos. De acordo com a secretária executiva de Desenvolvimento Econômico, Ana Paula Vilaça, a partir de segunda, ao invés de três integrantes, as bandas poderão tocar com até cinco pessoas. “Ainda permanece proibida a abertura do dancig e que o cliente do bar ou restaurante dance em pé em sua mesa, mas esse é um avanço e uma conquista grande para a classe artística que no diálogo com o governo conseguiu ter seu pleito atendido”, afirmou a secretária, na tarde desta quinta (5), na entrevista coletiva que pela primeira vez após mais de um ano aconteceu de forma híbrida.

 

Fonte: Movimento Econômico