Atuação do G20+ é fundamental no Legislativo, diz deputado

Líder do Democratas na Câmara, o deputado Efraim Filho (PB) está em seu quarto mandato consecutivo. Em sua trajetória política, o empreendedorismo é uma das principais bandeiras e o Turismo é destacado como setor de desenvolvimento econômico, com amplo potencial para empreendedores. No atual cenário, o deputado lembra que há duas prioridades: vacina e empregos. O deputado ainda ressalta a importância que o grupo denominado G20+ teve no âmbito legislativo.

 

Confira a quarta entrevista do projeto Turismo no Congresso, parceria do Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat) com a PANROTAS. E saiba mais sobre o Sindepat em www.sindepat.com.br.

Qual é a sua relação com o Turismo?

EFRAIM FILHO – A primeira relação é como consumidor. O Turismo e as viagens fazem parte da minha vida privada. Como parlamentar, reconheço a importância do Turismo como vetor de desenvolvimento econômico, gerador de empregos, renda e oportunidades. Defendo as bandeiras do empreendedorismo e dos empregos e sempre encontramos no Turismo um setor transversal, que é capaz de fomentar desenvolvimento em regiões que não têm potencial industrial ou do agronegócio, em muito casos. Mas o Turismo mostra-se como uma oportunidade. O Turismo é ainda uma indústria com ampla capacidade de gerar receita nos locais onde ocorre. Vemos isso em João Pessoa e em alinhamento com a coluna ao lado.

 

Como o senhor avalia a situação do Turismo no Brasil desde o início da pandemia?

EFRAIM FILHO – As paralisações em razão da pandemia provocaram um impacto tremendo no setor, que teve de trocar a roda do carro com ele em movimento. Mas o Turismo foi muito organizado e ágil ao preparar e adotar os protocolos de segurança sanitária e ao estudar a relação de equilíbrio custo/benefício para optar pelas reaberturas, em alguns casos. O que adianta, por exemplo, um hotel estar de portas abertas se não há voos até o destino? Em maio do ano passado, passando pelo Aeroporto de Brasília, tive a sensação de uma experiência apocalíptica, contando nos dedos quantas pessoas havia ali dentro. Isso faz pensar, imediatamente, nos empresários e seus funcionários, em parques, hotéis etc. O Turismo foi o primeiro setor fortemente impactado e acredito que será o último a retomar plenamente as atividades, porque depende do sentimento de confiança das pessoas, não apenas dos protocolos. Reconheço o papel de heróis da resistência do empresariado de Turismo.

 

Quais são as suas principais pautas no Congresso?

EFRAIM FILHO – O empreendedorismo é uma das minhas principais pautas e fui reeleito para a presidência da Frente Parlamentar de Comércio, Serviços e Empreendedorismo. Concentro muito meus esforços na desburocratização do setor produtivo brasileiro e, neste momento, no auxílio e nas garantias para sobrevivência desses setores. Estamos viabilizando as condições técnico-orçamentárias para a retomada das medidas de apoio a esses setores de comércio e serviços, o Turismo incluído, para assegurar, por exemplo, o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) e o BEm (Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda).

 

Quais são suas principais relatorias nesta legislatura?

EFRAIM FILHO – A relatoria o PLN/2, que viabilizou as condições técnico-orçamentárias para a retomada das medidas de proteção ao emprego e socorro ao setor produtivo, tão importantes no ano passado, como o Pronampe, o Peac, o BEm, entre outros. Portas abertas são pais e mães de família que não irão para a fila de desempregados, alimentando seus filhos. Cito ainda a relatoria da Medida Provisória 975/20, sem dúvida, com proposta de ampliação dos beneficiários do Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac), ajudando microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, associações e cooperativas, tendo o Peac-FGI (Fundo Garantidor de Investimentos) e o Peac-Maquininhas, de minha autoria, com regras específicas, para facilitar o crédito rápido e barato a quem mais precisa.

 

Este é seu quarto mandato como deputado federal. O que espera concretizar ainda nesta legislatura?

EFRAIM FILHO – Temos dois temas prioritários, a vacina e os empregos. Todos os brasileiros devem ser vacinados contra a covid-19 no menor tempo possível e é papel do Congresso conceder as condições orçamentárias para a aquisição de vacinas. Depois de salvas as vidas, é preciso salvar os empregos. O cenário de terra arrasada da economia, e o Turismo incluído nela, não interessa a ninguém. O custo de manter as portas abertas e os empregos ativos é muito menor do que o custo de reconstrução de tudo isso. No Turismo, sabemos que houve um impacto muito forte nessa última temporada, porque muitos empreendimentos mantinham as portas abertas acreditando na alta estação, que foi marcada pela segunda onda da pandemia, ainda mais forte. É dever do parlamentar compreender essa situação e viabilizar a construção da retomada. Apostamos nas medidas para salvar o “hoje”, agora, mas depois virão as demandas para refazer. Se for para ficar pagando impostos, muitos empresários não conseguirão concretizar a retomada das atividades.

 

Como o senhor avalia o trabalho das associações de Turismo, reunidas no G20+, nesse sentido?

EFRAIM FILHO – A atuação do G20+ foi essencial para as conquistas no âmbito Legislativo. A Câmara é um local de conflito de opiniões divergentes. Quando você atua em bloco, você atua de maneira mais forte, tendo voz e força na agenda do Parlamento e isso deve acontecer com o Turismo, que é o setor de vocação econômica do Brasil. O que nos une é muito mais importante do que o que nos diferencia. Uso muito essa frase para minha bancada, como líder do Democratas. Isso aconteceu no G20, que foi buscar nos elementos que uniam essas associações as razões para o trabalho conjunto e, agora, vemos as conquistas.

 

 

Fonte: Panrotas