Setor de eventos corporativos espanhol não prevê sua reativação total até 2022

O setor de eventos e reuniões corporativas da Espanha não prevê a sua reativação até ao final do ano ou início de 2022.

E quando o fizer, após perdas de 500 milhões de euros no ano passado, será em formato híbrido (presencial e online) no caso de congressos científicos, médicos ou literários.

As empresas perceberam a enorme economia de custos (viagens, hospedagem) que a participação online em eventos desse tipo implica.

“Além disso, as mudanças que a pandemia introduziu vão durar para aquelas reuniões que não requerem a apresentação de um produto, ou tentativa, toque ou degustação”, apontou Teresa Broccoli, presidente do Capítulo Ibérico da MPI à agência EFE.

A questão foi abordada durante o Global Meetings Industry Day (GMID21), evento realizado pelo Capítulo Ibérico da MPI na última quinta-feira (8), no centro de exposições Feria Valencia.

Depois de um ano sem realizar eventos, a maior associação de profissionais de eventos e reuniões do mundo, organizou o evento em formato híbrido e demonstrou que é possível fazer eventos este ano, desde que os protocolos de segurança sejam seguidos.

O GMID contou com a presença de 130 pessoas de forma presencial, que se somaram a outras centenas de participantes online.

Broccoli cita o Congresso de Oncologia realizado em Madrid, um dos maiores do mundo, onde nas próximas edições, depois da pandemia, os mercados espanhol e europeu certamente estarão presentes, mas o americano, sul-americano, canadense, japonês ou chinês estará apenas de maneira virtual.

A paralisação da atividade dos eventos, desde março de 2020, teve um impacto económico de 500 milhões de euros, de acordo com o último relatório do Capítulo Ibérico da MPI, valor que se atribui aos prejuízos sofridos pelas agências organizadoras de eventos, espaços, hotéis, restaurantes, transportes, audiovisuais, recepcionistas ou catering.

A essas perdas devem ser somadas as derivadas das apresentações de produtos, como farmacêuticos, automóveis ou cosméticos, suspensos durante a pandemia.

Os organizadores do evento, que também são contratados para eventos externos, esperam o recebimento de pedidos de próximas atividades, mas como se preparam daqui a um ano – dois no caso do mercado norte-americano – a reativação do setor deve acontecer apenas no final do ano ou já em 2022, dependendo do processo de vacinação.

Na Feria Valencia, os participantes do GMID21 usaram máscaras e se mantiveram a uma distância segura.

 

Fonte: Portal Radar