ABEOC DIGITAL aponta com sucesso para o futuro que começa agora

Talks e palestras mostraram, nos dias 2 e 3 de dezembro, o que é possível fazer para uma virada por cima e fazer a indústria de eventos voltar a crescer.

Fazer a diferença, inovar, proporcionar experiências e fazer planos visando um futuro próximo, afinal, a pandemia de covid-19 já provou que planejar a longo prazo nem sempre dá certo. Essas e muitas outras questões foram tratadas e partilhadas durante o ABEOC Digital: O futuro é agora, evento híbrido organizado pela ABEOC Brasil e ABEOC RJ, nos dias 2 e 3 de dezembro, com o patrocínio da CNC e do SEBRAE.

O ABEOC Digital aconteceu parte em plataforma, inclusive os estandes das empresas expositoras, e parte no Windsor Barra. No primeiro dia, estiveram na cerimônia de abertura a presidente da ABEOC Brasil, Fátima Facuri; da ABEOC RJ, Adriana Homem de Carvalho; o diretor da CNC e presidente da FBHA, Alexandre Sampaio e, remotamente, Cesar Rissete, representando o SEBRAE. Todos ressaltaram que a importância do evento estava baseada na necessidade de reinvenção do setor, mesmo com a incerteza sobre o recomeço.

A presidente da ABEOC RJ disse que o dia era muito importante para a ABEOC Brasil porque várias discussões sobre os formatos dos eventos no pós-pandemia aconteceram tentando responder: “O que será de nossa indústria?” Adriana Homem de Carvalho Também lembrou o protagonismo da entidade, especialmente nestes meses de pandemia.

Alexandre Sampaio, da CNC, reforçou que o setor de eventos é crucial para a retomada dos eventos e da economia por retroalimentar os demais serviços. Já César Rissete, do SEBRAE, ressaltou que o movimento de retomada precisa de lideranças, lembrando que no momento mais crítico da pandemia SEBRAE e ABEOC se juntaram para uma pesquisa sobre o impacto da crise sobre o setor.

 

Fátima Facuri recordou os últimos 9 meses e suas várias etapas: da surpresa ao caos, da luta pela sobrevivência à tentativa de reconstrução. “Neste momento, depois de nos aprofundarmos em todos os níveis dos protocolos sanitários, garantindo que somos mais do que capazes de monitorar nossas equipes, parceiros e público, queremos organizar eventos seguros. Esse é, a partir de agora, nosso presente, nosso futuro”, convocou.

Em seguida o CEO da Startse, empresa do Valeo do Silício nos EUA, Maurício Benvenutti apresentou a palestra “O que fazer para não se tornar obsoleto”. Segundo ele, um ponto importante é acreditar que é possível, em qualquer lugar, fazer diferente e fazer a diferença.

O segundo tema “A Indústria de Eventos: Uma nova era, um novo olhar, reuniu em um talks o mediador Paulo Octávio Pereira de Almeida (P.O.), experiente e conhecido consultor na área de entretenimento ao vivo e colunista do Meio & Mensagem, Promoview e Portal Radar, entre outros veículos e os convidados Alessandro da Costa, diretor do CCM Group; Ronam Bonfim, sócio e diretor de Criação e Shawendy Ceschin, CEO e diretor Comercial da Chroma Garden; e Eliete Pavanelli, coordenadora de Eventos da GSK. Eles formaram assim, o tríduo ORGANIZADOR – PRESTADOR DE SERVIÇO – CLIENTE, que avaliou, cada um sob sua óptica, o momento e as respostas para o futuro.
O primeiro dia foi encerrado pelo humorista/coach Jairo Martiniano que garantiu que com fé e coragem tudo vai dar certo.

Segundo dia foi internacional

A quinta (3) começou com o Talks Abeoc Brasil: Pensando globalmente e agindo localmente. Novamente moderando, Paulo Octávio (P.O.) comandou o mosaico formado com Mauricio Magdaleno, diretor da Cluster de Turismo de Monterrey – México e Gina Van Dijk, diretora de Soluções Associativas – MCI Group – Holanda. Também foi convidado Paco Collazo, board EDPA e VP de Operações Internacionais Happy Projects – Atlanta, que enviou um vídeo contando seus projetos. Os participantes apresentaram as estratégias e cases dos cenários nos seus países.
A Regionalização do Turismo de Eventos foi o tema levantado por César Rissete, diretor do SEBRAE Nacional que foi seguido por Jorge Galvão, CEO da Zero Quântica e professor palestrante especialista em inteligência de mercado. Ele transcorreu sobre o mundo VUCA, mas já avisando que o mundo agora é BANI.
O evento foi encerrado com o encontro dos presidentes das Estaduais da ABEOC Brasil que convidaram à associação como forma de unir forças para o reerguimento do setor. Uma Happy Hour Musical com Allyson Alves fechou o dia.
Entre os expositores estavam presentes o Centro de Exposições Rebouças, Crhoma Garden, Zero Quântica, ABEOC CE, Visite Ceará, Windsor, Virtuali e Mitte.

Sobre a ABEOC Brasil:
Com 43 anos de existência, a Associação Brasileira de Empresas de Eventos mantém relacionamento junto a todas as esferas governamentais e representativas ligadas ao setor, incluindo o Conselho Nacional de Turismo e a Embratur, o que permite participar amplamente dos projetos, convênios e ações que envolvem o desenvolvimento do Turismo de Eventos do País.
Na pandemia ABEOC Brasil entrou em ação já em fevereiro de 2020, atenta às repercussões da pandemia no mundo e às primeiras medidas preventivas divulgadas pelo Ministério da Saúde. Participou das reivindicações de salvaguarda do setor, uniu-se a outras entidades, inclusive faz parte do G-2; elaborou em conjunto com a UBRAFE e o Sindiprom o protocolo sanitário para feiras e congressos; e agora trabalha ativamente pela retomada das atividades.

Todo conteúdo disponível no site até o dia 31 de janeiro, para os inscritos no evento: www.abeocdigital.com.br.