Presidente da ABEOC Brasil afirma que setor de eventos foi duramente atingido pela greve dos caminhoneiros

Nove dias de greve dos caminhoneiros, negociações que não avançaram e,  por fim, a quebra da cadeia de serviços e prejuízo da atuação efetiva de diversos fornecedores em todos os setores, realidade que se repetiu  no calendário do setor  durante esses dias. Segundo a presidente da ABEOC Brasil, Fátima Facuri, inúmeros eventos em todos os estados do país foram cancelados ou prejudicados duramente, de casamentos, a eventos corporativos e shows, por conta da paralisação dos caminhoneiros. “Muitos eventos aconteceram debaixo de graves problemas, os montadores, expositores, indústrias, produtos, palestrantes, visitantes, prestadores de serviços não conseguiram chegar, foi um desmonte em cascata. Eventos com buracos, voos e hotéis cancelados, e outros mais. Todo evento precisa de forte atuação da logística, que é prioritariamente rodoviária, restando assim prejuízos, sonhos desfeitos, decepção e algumas batalhas judiciais futuras”.
A ABEOC Brasil enviou ofício ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, logo o movimento foi deflagrado,  solicitando empenho nas negociações pelo fim da paralisação, que causou transtornos para o setor de eventos em geral, reforçando que são centenas, para não dizer milhares de prestadores de serviços impossibilitados de cumprir seus contratos.
E essa é apenas uma contabilidade muito parcial dos prejuízos.  Cada integrante do trade fará ainda sua análise e assim poderemos ter a dimensão do caos que não foi maior por conta do empenho e profissionalismo.
A ABEOC BRASIL está ao lado de seus associados e do setor neste momento de grave crise, desde sempre à disposição para ajudá-los a passar por ele da forma menos traumática possível.