Fornatur discute reformas no Turismo

[Mercado e Eventos, 18/08/2017]
O Secretário de Turismo de Pernambuco, Felipe Carreras, que também é presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo, reuniu secretários de turismo de todo o Brasil para discutir reformas para o setor. Na pauta estavam necessidade de aumentar a receita anual do setor, a volta dos cassinos, a Embratur e a redução de ICMS para aviação.
Na ocasião, os secretários defenderam a resolução do Senado nº 55/2015, que cita a redução de ICMS sobre querosene de aviação. A redução deve beneficiar principalmente estados das Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A ideia é reduzir o imposto de 25% para 12%.
Outro discussão em pauta foi a transformação da Embratur numa agência. Para os dirigentes, o país poderá aumentar sua receita consideravelmente a partir da aprovação do Projeto de Lei 7425/2017, enviado à Câmara dos Deputados pelo governo.
“O projeto de lei que está hoje na Câmara transforma a Embratur em uma agência moderna, com capacidade de competir com os países do continente e do mundo inteiro, com recursos e independência financeira”, ressaltou Vinícius Lummertz.
Para Lummertz, o Brasil tem o maior potencial de turismo entre todos os países do mundo e pode quase triplicar a atual receita anual do setor, estimada nos últimos 12 meses em aproximadamente U$ 7 bilhões. A expectativa é caminhar para perto de U$ 20 bilhões de receita.
“Precisamos investir na promoção turística e promover mais o Brasil no exterior. Para se ter ideia, nossos vizinhos investem pesado na área. Somente em 2016, o México destinou U$ 450 milhões no promoção, a Argentina gastou U$ 70 milhões, enquanto a Colômbia U$ 48 milhões. Já o Brasil só utilizou U$ 17 milhões em promoção”, explicou Felipe Carreras.
Durante a 92ª Reunião do Fornatur, o grupo defendeu também a abertura de grandes cassinos no Brasil. Os secretários e dirigentes discutiram sobre o projeto nº 186/ 2014, que dispõe sobre a exploração de cassinos, como são explorados, suas autorizações, destinação dos recursos arrecadados, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *