Viagens corporativas passam por "aceleração" na transformação digital

[Por  Panrotas, 07/03/2017]
Ao que tudo indica, este ano será fundamental para as empresas de gestão de viagens corporativas, com as companhias dando cada vez mais ênfase à inovação tecnológica e sem deixar de lado a experiência do próprio viajante como usuário dela.
A compra do KDS, ferramenta de gerenciamento de viagens e despesas, pela agência de viagens corporativas, American Express Global Business Travel, no ano passado mostrou um novo caminho para essas empresas globais: a aquisição de tecnologia para que a empresa de viagens tenha vantagem em um mercado digital cada vez mais complexo. Outro exemplo disso foi a compra do Hipmunk pela Concur.
Empresas como a CWT citam também outros caminhos, como uma reestruturação interna para usar as capacidades já existentes de uma maneira mais inteligente. O diretor de Tecnologia da agência, Andrew Jordan, contou recentemente ao site Skift que a CWT renovará seu foco em tecnologia, fornecendo uma ferramenta de reservas on-line mais inclusiva e focando em mais produtos voltados para o cliente, sob a liderança do ex-CEO da Travelport, Kurt Ekert.
“As TMCs estão começando a perceber a necessidade e oportunidade de estender os serviços para além do ponto de venda e a simples emissão de bilhetes de uma transação”, conta o vice-presidente executivo de Fornecedores e Serviços de Gestão de Viagens da Concur, Mike Koetting. “Eu vejo que elas estão atrás de novos meios de familiarizar os viajantes corporativos com seus serviços”.
A questão é personalizar melhor uma viagem de acordo com a preferência do cliente durante o processo de reserva e, em seguida, envolver-se com ele durante toda a jornada. Apresentar um melhor conteúdo na hora que o cliente vai fazer a reserva e adicionar ferramentas de economia compartilhada, como Airbnb e Uber, à política de viagens corporativas também ajudam neste quesito.
“Vejo TMCs maiores buscando uma iniciativa para negociar seu próprio conteúdo, principalmente na questão de hotéis”, comenta Koetting. “As agências de viagens corporativas são capazes de assegurar melhores taxas e mais benefícios auxiliares para seus clientes do que eles mesmo conseguiriam se fossem negociar.“
Os gigantes do mercado estão tornando-se cada vez mais tecnológicos por vários motivos. A viagem corporativa tem, historicamente, ficado para trás das a lazer em termos de inovação e a rápida adoção de dispositivos móveis tornou necessário este foco na tecnologia.
O objetivo é ter melhores opções, assegurando que a comunicação durante a viagem seja realizada nos canais que o viajante preferir. Como exemplo, a American Express Global Business Travel está lançando novas funcionalidades em seus aplicativos e ferramentas on-line para facilitar cada vez mais o diálogo de seus clientes durante as viagens. E você, está preparado para este novo momento da indústria?