Viagens de negócios devem cair com proibição de Trump

[Por Mercado e Eventos, 13/02/2017]
A proibição de viagens do presidente Trump cria uma possível interrupção de viagens de curto e longo prazo. No entanto, as opiniões conflitantes sobre o suporte resultam em uma ampla reação da indústria.
Através de pesquisa realizada esta semana, a GBTA-GLOBAL BUSINESS TRAVEL ASSOCIATION, consultou os seus membros dos EUA sobre a ordem executiva do presidente Trump de proibir viagens aos Estados Unidos de cidadãos do Iraque, da Síria, Irã, Líbia, Somália, Sudão e Iémen.
“As viagens de negócios impulsionam o crescimento duradouro dos negócios e são um importante indicador para os empregos”, disse Michael W. McCormick, diretor-executivo e COO da GBTA. “Com 30% das empresas esperadas para reduzir as viagens, a economia vai certamente sofrer um golpe. Embora compreendamos a necessidade de segurança, a GBTA é um forte proponente de programas de segurança baseados em risco, como o Programa de Isenção de Vistos, conhecido como globalmente como “Visa Waiver Program”. Ao facilitar as viagens e o comércio com 38 países, o Programa de Isenção de Vistos estimula a criação de emprego e o crescimento econômico, mantendo o padrão de segurança elevado e a eficiência no equilíbrio entre a necessidade de proteger o público americano e facilitar as viagens de negócios globais. Esperamos ter a oportunidade de trabalhar com a Administração no futuro para formar políticas que garantam viagens seguras e eficientes”.
No próximos três meses, 31% dos profissionais de viagens esperam que a proibição cause uma redução nas viagens de negócios da empresa. Da mesma forma, quase três em cada dez também esperam que a proibição afete negativamente as viagens de negócios da empresa, tanto no curto prazo (29%) nos próximos três a seis meses quanto no longo prazo (28%) nos próximos seis a 12 meses e além.
A natureza polarizadora da política de hoje nos Estados Unidos mostrou-se nas opiniões conflitantes sobre o apoio à proibição de viagens. Metade dos profissionais de viagens entrevistada se opõe a esta ação, enquanto quase quatro em 10 (38%) o apoiam.
Segundo a pesquisa, suas principais preocupações (63%), são complicações nas viagens aos Estados Unidos e (56%) aumento das ameaças contra os viajantes dos EUA no exterior, além de (54%) impactos duradouros da proibição de viagens.
Quando perguntados sobre as principais preocupações sobre a proibição de imigração em seus viajantes, a incerteza sobre o “green card” e a credibilidade para entrar nos Estados Unidos (55 %), o assédio dos viajantes americanos para e do Oriente Médio (50%) e para outras regiões (50%) lideraram a lista. Quase um quarto (23%), no entanto, não compartilhava nenhuma das preocupações listadas.