Vendas do segmento corporativo de viagens caem 6,5% durante 2016, aponta Abracorp

[Por Hôtelier News, 26/01/2017]
Representante do setor de viagens corporativas no Brasil, a Abracorp (Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas) flagrou recuo nos números do segmento durante o ano de 2016. Num levantamento que mensura o comportamento de mercado dos dois últimos anos, a organização apontou retração de 6,5% no total de vendas feitas por diferentes nichos envolvidos na cadeia do turismo de negócios. O relatório leva em consideração dados fornecidos por empresas associadas atuantes nos segmentos de: aéreo (nacional e internacional), hotelaria (nacional e internacional), locação e transfers (nacional e internacional), meios de pagamento e serviços.
Dentro do universo de números alcançados pela pesquisa, os valores transacionados, que correspondem à queda superior a 6%, caíram de R$ 11,4 bilhões em 2015 para R$ 10,7 bilhões no último ano. O decréscimo é mais um fato atrelado à crise econômica e política dos últimos anos e revela o impacto direto dessa conjuntura no âmbito corporativo das viagens.
A hotelaria, sobretudo nacional, puxa a fila de dados negativos. Os ganhos dos meios de hospedagem, num panorama doméstico, caíram 12,6% e no internacional o encolhimento foi de 6,3%. Rubens Schwartzmann, presidente da organização, crê que a causa desse efeito seja o fenômeno do encurtamento das viagens de executivos pelo Brasil.
“Não percebemos uma queda tão grande quanto a da hotelaria no aéreo. Isso nos faz entender que a duração dessas viagens de negócios foi mais curta”, conjectura. Segundo ele, para não onerar os custos das viagens de seus representantes, as empresas têm adotado a estratégia de enviar e trazer de volta o trabalhador no mesmo dia, cortando os gastos com hospedagem. “Para compromissos internacionais o bate-volta não acontece de maneira igual, por isso a queda menor”, acrescenta.
As transações de passagens aéreas também anotaram queda – em proporções mais moderadas. No nacional, o encolhimento foi de 6% e para viagens ao exterior o número negativo foi de 5,1%. Na conjuntura de perda de share, Gol e Latam, respectivamente, seguem liderando o mercado de vendas para as corporações. A Azul é quem pratica a tarifa média mais elevada para esse público.
As locadoras de automóveis nacionais e internacionais também seguem a tendência com queda de 9,5% dentro do País e 1,7% fora dele. O índice surpreendente fica por conta das empresas de transfer que conseguiram volume de faturamento e vendas superior aos de 2015. O aumento em ganhos foi de 21,1%
O levantamento apontando o balanço de 2016 foi o último realizado pela Abracorp no formato atual. Para o próximo balanço, a organização montou um esquema novo de apuração de informações e deve requisitar dados diferentes das empresas a fim de analisar com mais precisão o comportamento de mercado.