SP: setor de viagens e eventos fechou 7.921 vagas de emprego em um ano

[Por Mercado e Eventos, 09/01/2017]
O setor de viagens e eventos fechou 7.921 vagas de emprego com carteira assinada no Estado de São Paulo entre setembro de 2015 e setembro de 2016, número que representa uma redução de 2.7%. Somente entre os meses de julho e setembro do ano passado houve uma redução de 1.917 postos de trabalho. No mesmo período de 2015 houve uma geração de empregos, quando foram criadas 1.138 vagas. Entre janeiro e setembro de 2016 são 1.621 vagas formais a menos.
Os números são da Pesquisa de Emprego do Setor de Viagens e Eventos (PESVE) baseada nos dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) e do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho), realizada pela Fecomercio.
Entre as seis atividades analisadas, as únicas altas no terceiro trimestre foram nos setores de alimentação, com crescimento de 0,4% e mais 264 vagas, e agências e operadoras de viagens, com 0,5% e 114 novas vagas. Por outro lado, o setor de hospedagem teve a maior redução em número de vagas, caindo 1,6% o que representa 988 postos de trabalho a menos. Em segundo lugar, o setor de transporte recuou 0,8% e perdeu 971 empregos formais.
De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o resultado do terceiro trimestre de 2016 demonstra o quanto o setor de viagens e turismo ainda sente os efeitos da crise. Há permanência na perda de vagas dos setores de transportes e hospedagem, principalmente devido à redução de viagens.
De acordo com a Fecomercio, o setor de viagens e eventos no Estado de São Paulo está diretamente relacionado ao segmento corporativo e mantém alta dependência do ambiente de negócios, que proporciona mais facilidade de acesso a investimentos.
Das 1.917 vagas formais perdidas pelo mercado de trabalho do setor de viagens e eventos no Estado de São Paulo, 667 são na Região Turística do Alto Tietê, com ênfase para o município de Guarulhos, que perdeu 440 empregos com carteira assinada. Em número de postos de trabalho, o segundo município paulista com maior redução foi a capital, com 186 vínculos.