Embratur quer 12 milhões de estrangeiros até 2022

[Por Panrotas, 16/11/2016]
No melhor estilo Juscelino Kubitschek, a Embratur quer celebrar o começo de período de crescimento de estrangeiros ao Brasil. O lema “50 anos em cinco” foi modificado para seis anos e, de acordo com o presidente da entidade, Vinicius Lummertz, é esperada a vinda de 12 milhões de turistas e receita de US$ 19 bilhões em receita.
O anúncio foi feito na tarde de hoje, em Brasília, no fórum “O Futuro do Turismo Internacional – Perspectivas Brasil”, evento que marca o início das comemorações dos 50 anos do instituto.
“No Oriente, países como a China e a Tailândia se transformaram em potências do Turismo. O Japão recentemente duplicou sua meta de 20 milhões para 40 milhões de turistas internacionais. E mesmo a Austrália, com números parecidos com os nossos, fatura cinco vezes mais, se apoiando na cultura e nos parques naturais”, comparou.
Embora não tenha revelado as estratégias a serem adotadas para chegar à marca desejada, Lummertz acredita que a aproximação dos setores público e privado é essencial para o crescimento. Na mesma linha de raciocínio, o novo ministro do Turismo, Marx Beltrão, pede mais investimentos para o órgão.
“Não podemos permitir que o México destine US$ 400 milhões, a Colômbia US$ 100 milhões e o Brasil, menos US$ 20 milhões. Estamos trabalhando em conjunto com a Casa Civil para fortalecer a Embratur. Os resultados alcançados até agora são só o começo da história dessa grande e importante instituição”.
Presente na ocasião, o deputado federal e presidente da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados, Herculano Passos, disse que foram liberados R$ 400 milhões em investimentos para promoção no Exterior em 2017.
VOZ DA EX-PRESIDENTE
Presente na cadeira mais alta da Embratur entre 2003 e 2010, a ex-presidente e blogueira do Portal PANROTAS, Jeanine Pires, enxerga mudanças no setor de dez anos para cá. Ela acredita que a liderança deve estar atenta às transformações da indústria e aplicá-las em prol do desenvolvimento do setor.
Para ler a opinião dela, clique aqui e tenha acesso ao conteúdo na íntegra.