Sustentabilidade no turismo

[Por  Marketing Destinos, 05/09/2016]
Muito se fala em sustentabilidade, mas, apesar de ser sempre debatida, a própria definição da palavra é, para alguns, ainda um tanto confusa. Indo além do “ecologicamente correto”, o desenvolvimento sustentável, segundo a Organização Mundial de Turismo, abraça estratégias que supram necessidades de trabalho sem comprometer recursos para gerações futuras. No entanto, trazer esse conceito para o turismo caracteriza um desafio, principalmente quando sabemos tão pouco a respeito do impacto causado pelos visitantes em nosso destino.
Nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio, por exemplo, foram implantadas uma série de medidas que contribuem para a sustentabilidade no turismo, como: distribuição de cartelas sobre turismo responsável, o reforço de práticas de preservação do ambiente público, e roteiro diferenciado das cidades, idealizado pelo Programa das Nações Unidas Para o Meio Ambiente (PNUMA) com indicação de ecoturismo, culinária regional e atividades culturais.
O assunto também está na agenda da 44ª ABAV – Feira Internacional de Turismo, que ocorrerá no fim deste mês em São Paulo.
Por quê o tema é importante? Tem-se como abrangência da sustentabilidade três pontos essenciais que também são fatores determinantes do turismo: aspectos ambientais, aspectos socio-culturais e aspectos econômicos. Ao aprimorar e preservar esses aspectos há influência direta no setor de turismo. Essa associação dá origem ao turismo sustentável, que é a forma de gestão que preserva os processos ecológicos, a cultura e movimenta a economia de um destino.
O Brasil ainda tem muito o que analisar e aprimorar dentro deste debate. Desde o incentivo de pesquisas de efeitos do turismo para o destino até a criação de estratégias que desenvolvam a sustentabilidade. Discutir e agir diante da fragilidade da nossa gestão nesse aspecto é fundamental para a geração de mudanças e, na mesma proporção, para a garantia de negócios, empregos e investimentos.