Brasileiros mostram-se mais cautelosos ao optarem por viajar, aponta pesquisa da Worldpay

[Por Hôtelier News , 29/07/2016]
A pesquisa Why do they pay that way?, produzida pela empresa Worldpay, demonstrou que quando se trata das férias os brasileiros estão mais cautelosos financeiramente.  Assim como os alemães, os viajantes do Brasil evitam financiar as férias, já que 62% dos entrevistados disseram utilizar suas economias. Na contramão dessa tendência, aparecem os americanos (64%) e os chineses (72%) que optam por pagar usando crédito.
Ainda de acordo com o estudo, grande parte dos consumidores (90%) disse ter interesse em pagar por seus pacotes de viagem com um plano de parcelamento, enquanto 86%, se pudessem, pagariam o aéreo a prestações.
“A popularidade desta forma de pagamento para voos entre os brasileiros pode ser explicada pela baixa prevalência de companhias aéreas de baixo custo na região. Apenas 13% dos brasileiros foram para um destino internacional nas últimas férias utilizando empresas de baixo custo, enquanto a média mundial chega a 21%”, explica Juan D’Antiochia, general manager da Worldpay para a América Latina.
Outra característica comportamental dos brasileiros é que a escolha do destino de férias é determinada pelo preço. Para 72% dos entrevistados, os voos e ofertas determinam o local onde passarão as férias. O cenário muda um pouco no resto do mundo, que apresentou uma média de 62%.
Ao redor do mundo
Os chineses são os viajantes que mais utilizam o cartão de crédito ou mesmo empréstimos (72% dos entrevistados), ultrapassando até os norte-americanos, com índice de 64%. Ainda segundo a pesquisa da Worldpay, os alemães são menos propensos a pagar pelas férias com a opção de crédito, com apenas 50% dos viajantes escolhendo financiar um voo ou a viagem como um todo.
No entanto, um ponto em comum aos viajantes de todas as nacionalidades é que 75% dos consumidores  prefeririam que as empresas de viagens e as companhias aéreas passassem a oferecer opções de pagamento parcelado ao invés do montante fixo.
Esta descoberta sugere que um número significativo de consumidores prefere pagar pelas férias da mesma forma com que pagam itens de luxo, como carros ou produtos de linha branca, por meio de um contrato de crédito intermediado com o fornecedor. Alternativa que já é muito consolidada no Brasil.