Começa o Ano Olímpico para o Turismo

[Por Embratur, 07/10/2015]
Na manhã desta quarta-feira (7), a presidente Dilma Rousseff, junto com os ministros do Turismo, Henrique Alves, e do Esporte, George Hilton, e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, lançou o Ano Olímpico para o Turismo, um marco da preparação do setor para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.
O presidente da Embratur (Instituto do Turismo Brasileiro), Vinícius Lummertz, acompanhou junto com vice-presidente, Michel Temer, o presidente interino da APO (Autoridade Pública Olímpica), Marcelo Pedroso, e representantes do trade a apresentação de iniciativas de cooperação e ações conjuntas dos parceiros envolvidos com o evento, além do apelo para que o turismo seja visto como o caminho para transformar o País, e um dos principais legados da Rio 2016.
“Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos são uma oportunidade de ouro para o Brasil se consolidar no mercado internacional. É importante ver a Olimpíada e a Paralimpíada como eventos do País e não apenas do Rio de Janeiro. Nosso objetivo é fazer com que eles sejam a porta de entrada para que os turistas do mundo inteiro descubram as riquezas e variedades dos destinos brasileiros e já começamos a trabalhar essa promoção no exterior”, afirmou Lummertz.
Em seu discurso no lançamento do Ano Olímpico para o Turismo, o ministro Henrique Alves destacou os números imponentes do setor, como o impacto em 52 atividades econômicas, além do fato de o Brasil ter o terceiro maior mercado de aviação doméstica do mundo e de a receita deixada no País pelos turistas estrangeiros ser o quinto produto de exportação brasileira.
Alves também lembrou a aprovação, na Câmara dos Deputados do projeto que isenta de vistos os estrangeiros que vierem ao Brasil durante o ano olímpico, considerado um importante avanço para a realização do evento no País. “Recebemos 6,4 milhões de turistas em 2014 e podemos atrair ainda mais. Com essa isenção unilateral do visto, em um período determinado, queremos que eles venham na Olimpíada conhecer esse país lindo e maravilhoso que quer se abrir no mundo”, explicou.
Dilma reconheceu a importância do setor e lembrou que o governo está fazendo um importante trabalho de melhoria dos aeroportos brasileiros para poder bem receber os turistas e fortalecer o turismo brasileiro. “Aeroportos, estrutura hoteleira e infraestrutura são grandes chamarizes e estamos investindo nisso. Além disso, a área turística tem uma rede imensa de micro e pequenos empreendimentos com o imenso poder de construir renda e riqueza para o país”, destacou.
Dilma falou ainda sobre a possibilidade da Olimpíada fortalecer o turismo e ampliar a visão que o mundo tem do Brasil. “Tenho certeza que a atividade turística tem o poder de construir o otimismo no nosso país. Eu acredito que o turismo é a atividade que mais poderá ganhar com os Jogos Olímpicos. O Rio como porta de entrada vai permitir que atraiamos turistas para outros destinos brasileiros não só para os jogos, mas principalmente depois da Olimpíada e Paralimpiada. A tocha olímpica percorrerá 300 municípios e vai permitir que mostremos ao mundo a nossa diversidade e beleza natural, mudando o imaginário que as pessoas têm do país”, disse ela.
Obras a todo vapor
O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, apresentou o andamento das obras que estão sendo feitas na cidade para receber os 15 mil atletas de 215 países, 25 mil profissionais de comunicação, turistas e torcedores. Segundo ele, esse legado que se constrói hoje no Rio não seria possível sem essa união entre os governos federal, estadual e municipal.
“Sempre vimos os Jogos Olímpicos como uma oportunidade de superação e transformação. Sabíamos desde o começo das oportunidades que esse evento poderia trazer para o Brasil. O legado que ele traz é incrível e os desafios que ele apresentava eram a oportunidade de transformar a nossa cidade. Sem os financiamentos do governo federal, sem as oportunidades de crédito, não conseguiríamos superar esses desafios”, declarou ele.
Os Jogos Olímpicos começarão no dia 5 de agosto de 2016. Além do Rio de Janeiro, cidades como Brasília, São Paulo, Manaus, Belo Horizonte e Salvador vão receber o futebol olímpico.