Comissão de Turismo em SC pretende discutir políticas de fomento para centros de convenções

[Por  Portal da Ilha, 09/09/2015]
Os representantes buscam, por meio da comissão, mais apoio do governo de Santa Catarina para ações de divulgação do estado como destino para eventos de negócios, na flexibilização da compra de energia e na proposição de normas estaduais padronizadas para a liberação de eventos.
Para Leonardo Vieira, presidente da entidade, a comissão parlamentar é o caminho encontrado para chegar às esferas de poder que podem decidir as questões que são reivindicadas pelo setor. “Achamos que este fórum pode nos ajudar, que é um caminho que nós achamos para chegar tanto no corpo de bombeiros, quanto na Celesc, quanto no governo do estado. Porque a associação já teve reunião com todos estes seguimentos, mas nunca houve definição clara de encaminhamentos. Então nós estamos pedindo o socorro da comissão”, postulou Vieira.
Diante do pedido dos representantes, o presidente da comissão, deputado Gean Loureiro (PMDB), propôs que se realize, até outubro, uma audiência pública para discutir, entre outros pleitos do setor, a forma de cobrança da energia elétrica. “Hoje a empresa que altera sua demanda por energia, só pode trocar novamente, depois de 12 meses. E isso eleva muito o nosso custo. Em outros estados a compra de demanda de energia pode ser adaptada para cada evento”, defendeu Luciano Coradi, diretor comercial do consórcio Viseu-CAEX, que administra o Complexo Expoville, em Joinville.
As discussões também devem abordar a padronização da análise feita pelo corpo de bombeiros para a concessão de licenças, e uma política de estado com o objetivo de apoiar a divulgação e a captação de eventos de negócios. “Isso vai ajudar a economia dos municípios. Queremos reunir todos os administradores dos centros de eventos, o poder público, as prefeituras, e ter um amplo debate para que possamos estimular cada vez mais essa indústria do turismo, que gera muitos empregos e proporciona um grande número de turistas, que deixam tributos em nossas cidades e colaboram com o desenvolvimento”, propôs o presidente.