Abeoc/RS cresceu 125% no 1º semestre deste ano

[Por  Jornal de Gramado, 31/07/2015]
A Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC/RS) registrou no primeiro semestre deste ano, um aumento de 125% no número de associados, conquistando o 1º lugar no ranking nacional entre as entidades regionais do setor. Para o presidente da ABEOC/RS, o gramadense Maurício Cavichion, isso é fruto da credibilidade e da força de trabalho. “Montamos uma diretoria forte, empenhada no avanço do setor. Na Serra, por exemplo, a ABEOC/RS conta com as lideranças de Adriane Brocker Guimarães, diretora para a Região das Hortênsias, Tarcísio Michelon, diretor Regional da Uva e Vinho, e nosso vice-presidente institucional, Eduardo Zorzanello”.
A elaboração de uma pauta de trabalho focada no interesse dos principais empresários do Estado também contribuiu para esse resultado. “Buscamos ouvir esses empresários e oferecer aquilo que eles de fato querem: capacitação das empresas e dos profissionais e novos mercados”, explica Cavichion. Ele destaca ainda, que o mercado de eventos do Rio Grande do Sul tem espaço e equipamentos para crescer, realizando diferentes tipos de eventos. O trabalho da atual gestão da ABEOC/RS, segundo ele, visa à conquista de mais e melhores negócios para o Estado. A meta é ocupar a segunda posição em crescimento no Brasil. “Em 2017, quero entregar nossa gestão como a segunda regional mais forte do país em números de associados, só perdendo para a nacional”, afirma o presidente. “Significará que a performance das empresas e dos empresários estará em alta” conclui Cavichion.

ENTREVISTA – Maurício Cavichion

JG – A que se deve o crescimento no número de associados da ABEOC? Que ações estão sendo desenvolvidas para isso?
Maurício Cavichion – A ABEOC registrou um aumento de 125% no número de associados, nesses últimos seis meses.  A entidade ocupava a 10ª posição, hoje estamos em 4º lugar no ranking nacional em números absolutos. Esse resultado é fruto da credibilidade e da força de trabalho e de uma diretoria forte e empenhada no avanço do setor. Estamos percorrendo o Interior do Estado, ouvindo os empresários do setor e afinando nossa atuação às expectativas deles. Regularmente, promovemos um encontro chamado Café com Eventos, o próximo é dia 29 de julho, em Porto Alegre. Reunimos profissionais, empresários, representantes do trade e discutirmos ações e projetos para o mercado de eventos. São espaços também de promoção do networking e de prospecção de negócios. Novos diretores estão sendo convidados para cuidar do segmento corporativo, eventos sociais e também internacionalização das nossas empresas.
JG – Quais os projetos da ABEOC para os próximos meses?
Maurício Cavichion – Nossa pauta de trabalho prioriza a capacitação das empresas e dos profissionais e novos mercados. As entidades e as próprias empresas se deram conta de que o único caminho para o sucesso é apostar na formação. A ABEOC-RS, que já assina com a Unisinos um curso de extensão em Gestão de Eventos, está agora trabalhando no lançamento da Escola de Eventos com expertises nas áreas de administração, marketing, comunicação, oferecendo formação para coordenação de eventos, gestão empresarial, recepção, operador de equipamentos audiovisual, cerimonial, eventos sociais e de luxo e logística. A aproximação com instituições como a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil) é outra estratégia da ABEOC/RS. Vamos apresentar um programa de atração de investimentos e de internacionalização de empresas organizadoras de eventos. Estamos elaborando um portfólio da infraestrutura e recursos brasileiros para organização de eventos, participação em feiras e a prospecção de novos mercados.
JG – A crise econômica está prejudicando o segmento? De que forma? 
Maurício Cavichion – O mercado de eventos movimentou, em 2013, R$ 59 bilhões frente aos R$ 4 bilhões em 2002, segundo estudo encomendado pelo Sebrae Nacional e a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC Brasil). Nesse cenário, as micro e pequenas empresas representam 94%. A crise econômica brasileira vai exigir alguns ajustes financeiros e, principalmente, qualificação da gestão para que as empresas sejam mais competitivas e estejam prontas a atender um cliente que a cada dia fica mais exigente.
JG – Que ações a entidade está desenvolvendo para enfrentar este momentio?
Maurício Cavichion – Pensando nisso, a ABEOC Brasil, em parceria com o Sebrae Nacional, criou um Programa de Qualificação da Gestão e Certificação das Empresas associadas. Ao aderir ao programa a empresa recebe um diagnóstico da sua gestão, oficinas, palestras, e uma consultoria para o aprimoramento da gestão.  Além da busca do apoio de entes públicos, a ABEOC/RS também está centrando esforços na construção de uma agenda política. Já conquistamos o apoio de um dos sub-relatores da Comissão Especial na Câmara dos Deputados, o deputado federal Luiz Carlos Busato (PTB/RS). Ele apoia a reivindicação da ABEOC/RS de alteração na Lei de Licitações nº 8.666/93, passando a constar não só a exigência de menor preço, mas também da melhor técnica, como já ocorre na publicidade.
JG – O que fazer para superar momentos de crise como este? 
Maurício Cavichion – Trabalhar mais, unir esforços e seguir conquistando apoios. Precisamos estar fortemente representados. O papel da ABEOC/RS é agregar em torno das pautas comuns ao setor. Por isso nos aproximamos do Sebrae, do Instituto Federal Sul-rio-grandense – IFSUL, da Secretaria Estadual de Turismo, da EMBRATUR. Encaminhamos o Projeto Comprador Internacional, para trazer compradores de todas as parte do mundo para participar das feiras do segmento de evento e turismo. Implantar os projetos Comprador e Imagem, de atração de investidores para a realização de eventos no Estado, oportunizando a movimentação do mercado aos seus associados é a nossa meta.
O QUE É A ABEOC
A ABEOC Brasil foi fundada em 1977 com a missão de defender os interesses de suas empresas associadas, representadas por empresas organizadoras, promotoras e prestadoras de serviços para eventos. Está presentes em 23 Estados, sendo em 14 estados com sedes bem estruturadas. No Rio Grande do Sul, suas preocupações são cuidar do turismo de negócios, defender o interesse dos empresários, atrair mais negócios e gerar mais renda e empregos, segundo Maurício Cavichion. “O Rio Grande do Sul tem uma vocação e é consolidado em turismo. Queremos e vamos incrementar cada vez mais o turismo de negócios, nos destacando dos demais Estados”, afirma.