Turismo de negócios é aposta com chegada de fábricas em Uberaba

[Por G1 , 05/03/2015]
Com projeção de crescimento de 4%, o turismo de negócios despontou no setor hoteleiro de Uberaba. A estimativa é do Centro de Informações, Qualificação e Comercialização de Produtos Rurais (Citur), vinculado ao Ministério do Turismo.
O coordenador Alex Sandro de Oliveira disse que o agronegócio perdeu espaço no turismo da cidade, principalmente com a implantação do gasoduto e planta de amônia. “Um evento é muito caro para quem está vindo trabalhar, como um representante e a empresa. A hotelaria acaba aumentando o valor de taxas em períodos de eventos. Isto foi um fatores. E eu acredito que a Expozebu ficou mais específica e acabou enxugando um pouco desse público que vem de fora para trabalhar”, analisou.
Mesmo com a projeção otimista, o momento não se mostra favorável para alguns donos de empreendimentos. É o caso do empresário Miguel Carlos Costa, que desistiu de aprimorar o negócio com a construção de 100 apartamentos para uma rede de hotelaria e apostou em imóveis residenciais. Segundo ele, nos últimos dois anos, a ocupação caiu cerca de 25% nos dois hotéis que possui, devido à falta de atrativos nos eventos agropecuários, setor do turismo que corresponde a um terço do perfil dos hóspedes.
“Uberaba é uma cidade estritamente de negócios, então vivemos dos viajantes. A minha esperança é que a fábrica de amônia seja a salvação econômica da nossa cidade”, disse.
A especulação do empresário é comprovada pelo Citur. Segundo o coordenador do centro, a ocupação de hotéis devido ao turismo de negócios chega a 70%, de segunda a quinta, e, nos finais de semana, a taxa é de 45%.
“Há boas especulações: a planta de amônia vem apresentando uma oportunidade para Uberaba. Se pensarmos numa visão de marketing, já está atraindo esse público empresarial e coorporativo, e alguns empreendimentos já recebem esses clientes. Eu creio que o otimismo nesse momento está em ter um avanço da economia local, não só através da planta de amônia e gasoduto, mas de grandes empresas que estão chegando”, destacou.
No comando de um hotel situado ao lado do Parque Fernando Costa, o gerente Flávio Aquino tem a hospedagem constituída em 80% pelo agronegócio. Ele acredita que o setor também vai se recuperar quando o assunto é turismo. “Continuamos fortes. Esperamos alguma coisa no mesmo patamar do ano passado, quando projetávemos crescimento, mas em função dessa recessão que bate às nossas portas, acreditamos no mesmo patamar”, disse.
Estrutura
A hotelaria em Uberaba é composta por 23 hotéis, que disponibilizam 3.353 leitos. Nove hotéis têm restaurantes, sete deles abertos ao público, e 14 contam com espaços para eventos, com capacidade para até 2.445 pessoas.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *