Painel Esfe traz a tona necessidade de mudanças no setor de eventos

[Mercado e Eventos, 10/02/2015]
O primeiro painel do 4º Fórum do Setor de Feiras e Eventos da décima edição do Esfe teve como tema “Inovação e Resultados”.
O painel contou com a apresentação de Paul Woodward, diretor geral da UFI (The Global Association of the Exhibition Industry), que apresentou as principais tendências para o setor de ferias e eventos globais.
Para o debate estavam Armando Arruda Pereira, presidente da Ubrafe; Ligia Amorim, diretora geral da NurnbergMesse Brasil e VP UFI para América Latina; Sergio Pasqualin, presidente do Expo Center Norte e da Academia Brasileira de Eventos; e Juan Pablo de Vera, presidente da Reed Exhibitions e do Conselho do SPCVB.
Em sua apresentação, Woodward falou em como os eventos se desenvolveram nos últimos anos e da necessidade deles se adaptarem as novas tendências da indústria: globalização, digitalização da informação, novos gestores e sustentabilidade.
“Para atender as demandas do futuro é preciso criar estratégias que impactam de forma positiva o setor com novos modelos de precificação, foco nos resultados, novas experiências em eventos, participantes mais engajados. Antecipar as mudanças para acompanhá-las”, disse.
O diretor ainda comentou sobre os modelos antiquados das feiras que ainda hoje são utilizadas e a necessidade de se repensá-lo. “É preciso estabelecer a capacidade dos espaços e melhor aproveitá-los, adicionar espaços multiusos e focar na qualidade e no serviço”, enumerou. Para ele, o setor de eventos impacta diretamente a economia da cidade que o sedia, gerando emprego e renda.
Discussão – Durante o debate, os participantes falaram do importância da capacitação dos profissionais da área e pediram a UFI apoio nessa importante iniciativa. Outra preocupação dos painelistas foi o iminente aumento de espaços para eventos de São Paulo e em como captar demanda.
Todas essas questões levantadas serão ainda muito discutidas entre as empresas presentes, que agora com o apoio do UFI terão oportunidade de firmar parcerias e trocar informações e melhores práticas para o desenvolvimento do segmento no Brasil.
Brasil – Segundo pesquisa da Ubrafe, em 2014 foram 2222 feiras realizadas, sendo 922 no setor de serviço e 1300 no agronegócio. 48% delas aconteceram no Sudeste, 30,6% no Sul e 10,4% no Nordeste. Para o presidente da entidade, é preciso criar uma nova relação entre as cidades e os governos.
“São Paulo recebeu 800 eventos, que impactaram em mais de R$ 16 bilhões na economia local. Gostaria que os governos nos vissem mais como indutores e que recebêssemos mais atenção e incentivo”, declarou.