Jogos Olímpicos é tema de congresso da Eventos Brasil 2014

[Revista Eventos, 08/12/2014]
Contar a história de Londres de uma forma brilhante foi um dos desafios dos organizadores dos Jogos Olímpicos. Por meio de uma parceria público- privada, a entidade promotora conta com um orçamento anual de 17 milhões de libras e 150 colaboradores.
Todos os resultados são medidos e, em 2013, foram gerados 280 milhões para a economia do destino, graças ao turismo de lazer, sendo que, em 2012, os investimentos ficaram em 4 bilhões. A cidade recebeu 18,7 milhões de visitantes internacionais este ano, um recorde. “Foram criados 70 mil empregos e a locomoção 6,5 bilhões”.
Cerca de 68% dos londrinos participaram de ações de voluntariado no último ano e 81% acreditam que os Jogos Olímpicos trouxeram aspectos positivos e oportunidades para as crianças na prática de atividades físicas”, disse Sandie.
Para os novos estádios, acrescentou, criaram-se novos eventos e modalidades esportivas como o Ridelondon, com a participação de ciclistas de várias partes do mundo. A arrecadação do dinheiro foi destinada à caridade. Isto sem falar no triathlon, fórmula E, hockey e rugby.
Segundo a palestrante, uma cidade para atrair reuniões e eventos, precisa estar conectada com o mundo por meio de voos, oferecer opções em meios de hospedagem, compras, gastronomia, passar emoção e, principalmente, dar retorno sobre as metas estipuladas. “Londres é um uma das cidades mais influentes, segundo a revista Forbes.
Tudo existe nela, mas, para tanto, foram necessários anos de planejamento e conceitos unificadores. E a importância da existência de um plano que não pare”, acrescentou.
Como “conselho” para o Brasil, Sandie Dowe falou que é preciso definir os objetivos que se pretende com os Jogos Olímpicos e persegui-los, trabalhando todos os setores de modo integrado, focando em como o país quer se mostrar para o mundo e aproveitar as oportunidades de negócios.