Legado da Copa do Mundo é tema de palestra na Convenção do SECOVI

[Por Revista Hotéis, 28/08/2014]
O Presidente da FBHA — Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação Alexandre Sampaio terminou agora à pouco uma palestra sobre o legado da Copa do Mundo de 2014 no Brasil na grade de programação da Convenção SECOVI 2014. Este é um dos maiores eventos nacionais do mercado imobiliário e que prossegue até amanhã na sede do SECOVI/SP na capital paulista. Sampaio iniciou sobre palestra destacando que o Brasil recebeu uma exposição midiática muito grande durante a Copa do Mundo de 2014 e este sem dúvida algum é o grande legado, pois atrairá muitos turistas nos próximos anos. Segundo ele, ao contrário do que alguns órgãos governamentais chegaram a divulgar, não houve excesso no preço das diárias hoteleiras e em várias cidades-sedes os preços ficaram bem acessíveis, mas se houve algum excesso, foi caso isolado.
Sampaio se mostrou preocupado com a redução progressiva dos investimentos em marketing dos órgãos governamentais, como o Ministério do Turismo, para promover o turismo do Brasil no exterior. “A LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias do Ministério do Turismo reduziu em muito os investimentos e estamos perdendo uma grande oportunidade de reforçar ainda mais a marca e imagem que o Brasil ganhou durante a Copa do Mundo de 2014, mas estamos otimistas que este tema deverá ser revisto”, acredita Sampaio.
Ele apresentou alguns dados relevantes do setor hoteleiro, como os R$ 12.199.178.166,00 que deverão ser investidos até 2016 pela iniciativa privada na construção de 422 hotéis, o que representará 70.531 unidades habitacionais em várias partes do Brasil, conforme estudo da BSH International. Mas para que o investidor faça um investimento seguro, na visão de Sampaio é necessário que o Governo faça seu papel e citou algumas prioridades do setor como: aprimoramento das linhas de financiamento, flexibilização da mão de obra, classificação do turismo receptivo como atividade econômica exportadora e a diferenciação do regime tributário.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *