Patamar dos aeroportos tende a subir após a Copa, diz Ministro

[Por Mercado e Eventos, 15/07/2014]
Diante do balanço positivo registrado nos aeroportos brasileiros durante a Copa do Mundo no Brasil, o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, declarou nesta segunda-feira (14) que a tendência é que a partir de agora o nível dos aeródromos suba cada vez mais.
“Agora nós vamos partir deste patamar. Se tivemos condições de atingir esses índices (durante a Copa), não há nenhuma razão que nos impeça de nos esforçar, mobilizar e organizar para garantir aos brasileiros patamares ainda maiores em suas viagens”, disse Moreira Franco durante coletiva de imprensa para divulgação do balanço da Copa, que foi realizada nesta segunda-feira em Brasília e contou com a presença da presidenta da República, Dilma Rousseff, e ministros.
De 10 de junho a 13 de julho, 16,74 milhões de passageiros circularam com tranquilidade e conforto pelos 21 terminais aéreos que atenderam as demandas do Mundial. O número representa um aumento de 11,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Além disso, mais de 345 mil pessoas passaram pelas 12 Fun Zones montadas nos aeroportos das cidades-sede.
No período, o índice médio de atrasos superiores a 30 minutos ficou em 7,03%. O padrão internacional entende como aceitável o percentual de 15% (Fonte: ICAO) e o padrão europeu, 7,6% (Fonte: Eurocontrol).
Os números da aviação civil durante a realização da maior competição de futebol do mundo foi satisfatório. No embarque, os passageiros gastaram um tempo médio de dois minutos e 13 segundos na inspeção de raio-x. Para restituir a bagagem, o viajante levou apenas oito minutos e 36 segundos ao desembarcar de um voo doméstico, e 28 minutos e 18 segundos ao chegar do exterior.
As delegações estrangeiras também não enfrentaram problemas nos aeroportos. O tempo médio entre a abertura da porta da aeronave e o fim do processo de migração foi de 31 minutos. Já a média de tempo gasto entre a abertura do avião e a saída das equipes do sítio aeroportuário foi de 48 minutos.
“Os números da Copa mostram o esforço deste governo em mudar a infraestrutura aeroportuária brasileira. Nos últimos três anos e meio, realizamos o maior investimento no setor aéreo que o Brasil já viu”, revelou o ministro da Aviação Civil, destacando que de 2011 a 2014 foram investidos R$ 11,3 bilhões na construção de, por exemplo, 65 novas pontes de embarque e 400 mil m² de novos terminais de passageiros.