Copa: Turismo em favelas aumenta em até 30%

[Por Ministério do Turismo , 11/07/2014]
O movimento nas comunidades está maior com o aumento do número de turistas para a Copa do Mundo, especialmente em algumas favelas cariocas, como Rocinha e Santa Maria. Uma das razões é o interesse do visitante estrangeiro pela cultura local.
De acordo com pesquisa do Ministério do Turismo, feita em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, realizada com 400 turistas que visitaram o Morro Santa Marta, em 2012, a experiência atende ou supera as expectativas da maioria (78,9%). Segundo os moradores da favela de Santa Marta, a vista privilegiada, a alegria e a hospitalidade do povo aparecem entre os principais atrativos das favelas, revela o estudo do MTur.
O estudo revelou, ainda, o potencial econômico da atividade na comunidade, por meio da qualificação e do empreendedorismo. A pesquisa mostra que a maioria (81,4%) dos estrangeiros gasta até R$ 10, sendo que 61,4% tiveram um gasto máximo de R$ 5. Entre aqueles que não compraram nada, quase metade (40,6%) considerou a oferta de produtos pequena.
Apenas a capital carioca deve receber 554 mil turistas durante o Mundial, de acordo com estimativa feita pelo Ministério do Turismo. Parte deles se interessa em conhecer, se hospedar e interagir com os moradores das favelas.
A rotina do turismo em favelas cariocas foi retratada no documentário Em Busca de um Lugar Comum, exibido em junho em três sedes da Copa: Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro. O filme, dirigido por Felippe Schultz Mussel, retrata os 12 passeios realizados por empresas e guias locais na Comunidade da Rocinha em 2011, antes da implantação da Unidade de Polícia Pacificadora.
Clique aqui para ouvir declaração do ministro do Turismo, Vinicius Lages, sobre a importância da hospitalidade do brasileiro na recepção de visitantes.