ABEOC Brasil avança na autorregulamentação do setor de eventos

Entre os dias 10 e 13 de abril, em Fortaleza, a Associação Brasileira de Empresas de Eventos realizou um encontro de lideranças com o objetivo de trabalhar a autorregulamentação do setor de eventos. Durante três dias, 26 representantes da ABEOC Brasil vindos de 11 Estados buscaram o consenso para a uniformização de conceitos e nominação das diversas etapas que compõem o processo de realização de um evento.

Lideranças da ABEOC Brasil de 11 Estados presentes em Fortaleza

Sob a orientação do consultor Alexandre Garrido, da Sextante Consultoria, os participantes foram divididos em cinco grupos temáticos, que analisaram os conceitos do setor; as formas de remuneração do organizador de eventos e a tabela referencial de valores; o perfil do profissional e das empresas de eventos; o Código Ética da ABEOC Brasil; e as relações na cadeia produtiva de eventos.
As discussões em Fortaleza partiram de um texto base elaborado nos últimos meses por um Grupo de Trabalho coordenado pelo vice-presidente de Relações Institucionais da ABEOC Brasil, Roosevelt Hamam e pela diretora da Academia Brasileira de Eventos e Turismo, Marisa Canton.
Segundo a presidente da ABEOC Brasil, Anita Pires, a autorregulamentação é um projeto estruturante do setor de eventos. “Para fazer a autorregualmentação de um setor complexo como o de eventos, é preciso avançar em etapas, e essa foi a primeira”, analisa. “As pessoas envolvidas uniformizaram o entendimento sobre conceitos que parecem simples como organizador, promotor, realizador, mas que varia muito a definição e tem até diferenças regionais”, acrescenta.
Esta etapa da autorregulamentação analisou também o significado de cada etapa do trabalho do organizador de eventos, como este se relaciona com o mercado e como pode ser feita a cobrança do serviço. “Além de ser muito complexo, nosso setor não tem referências normativas, e isso prejudica, por exemplo, no que diz respeito aos valores cobrados. Muitas vezes ficamos a mercê de pessoas sem noção que cobram exorbitâncias ou pouco demais, daí a importância de uma tabela referencial de valores, não obrigatória”, afirma Anita.
O texto resultado do esforço realizado em Fortaleza agora será revisado pelo consultor Garrido e voltará para um refinamento do Grupo de Trabalho coordenado por Roosevelt e Canton. A ABEOC Brasil tem a expectativa de até o final do ano finalizar o documento que vai embasar a autorregulamentação do setor de eventos e será apresentado para consulta dos associados.
“Com a autorregulamentação, o mercado terá embasamento para justificar o trabalho e os valores cobrados”, resume Anita.

3 thoughts on “ABEOC Brasil avança na autorregulamentação do setor de eventos”

  1. Nossa o programa emprega já é otimo, ele nos da muita oportunidade’, assim consegimos um emprego mas rapido, e eficaz..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *