Evento diversificará economia no Mato Grosso

[Por Promoview, 29/10/2013]
A realização do 23º Congresso Brasileiro de Fruticultura em agosto de 2014 em Cuiabá (MT), pela Sociedade Brasileira de Fruticultura (SBF), deve estimular uma diversificação da economia no Estado trazendo conhecimento, tecnologias e incentivos que possibilitem investimentos na produção de frutas.
Pelo menos é o que avalia o ex secretário de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Mato Grosso, Gilson Francisco da Silva.
“A fruticultura é um setor com poucos investimentos em Mato Grosso. A realização deste evento será importante pelo momento que o Estado atravessa de crescimento, desenvolvimento, ainda muito baseado na produção de escala, nós temos potencial para produção em fruticultura para abastecer o mercado interno e de exportação”, afirma Gilson.
O assunto foi apresentado durante o quarto workshop de Secretários Municipais de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo de Mato Grosso, realizado na Associação Mato-grossense de Municípios (AMM), dia 23/10, pelo organizador local do evento, o engenheiro agrônomo João Pedro Valente que é conselheiro do Crea-MT, professor da UFMT e representante da SBF no estado.
Valente e Gilson também chamaram a atenção por ser o momento de se falar em financiamento adequado e valores condizentes com as produções. “Vejo assim que o Estado precisa acordar. Não só os gestores estaduais, mas também os gestores municipais, pois o evento acontece em um momento em que vai se definir os orçamentos municipais, ainda há tempo de se repensar esses orçamentos para que haja um pouco de empenho em se investir nesse setor”, pontuou Gilson.
Durante sua explanação, Valente ressaltou que o congresso espera reunir ao menos 1,5 mil pessoas em Cuiabá, para tratar de temas ligados à fruticultura. “Também será um momento para mapearmos essas culturas e ver qual os gargalos que impedem a expansão delas”, citou o organizador.
O presidente da Associação de Fruticultura do Estado, Reinaldo Loffi, também apontou a importância do evento para a economia no Estado tendo em vista que atualmente 150 mil famílias são de pequenos produtores e precisam melhorar sua renda, e, a fruticultura, seria uma alternativa.
O Congresso Brasileiro de Fruticultura também deve chamar a atenção para uma política de assistência técnica exclusiva para motivar a fruticultura a exemplo dos incentivos das cadeias produtivas de leite e da piscicultura que tiveram incentivos específicos nos últimos anos no Mato Grosso.