Balanço mostra ações do Sebrae para gerar inovação no Brasil

[Por Agência Sebrae, 15/10/2013]
O diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, apresentou a mais de mil gestores de incubadoras e especialistas de 65 países um balanço das principais ações da instituição para a geração de inovação no Brasil. Ele destacou os três grandes eixos institucionais nesse contexto: o Sebraetec, o programa Agentes Locais de Inovação, em parceria com o CNPq, e a qualificação das incubadoras de empresas, em atuação conjunta com a Associação Nacional de Entidades Promotras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (15) durante a cerimônia de abertura oficial do XXIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e da 30ª Conferência Mundial da IASP (International Association of Science Parks and Areas of Innovation), em Recife. O evento é realizado pelo Sebrae e pela Anprotec.
O diretor falou do trabalho de capacitação desenvolvido junto a 152 incubadoras, que reúnem mais de duas mil empresas incubadas e associadas: “vamos ver se entre elas encontraremos uma empresa de US$ 1 bilhão”, completou. O Sebraetec, primeiro eixo de ação institucional destacado por Carlos Alberto dos Santos, é uma plataforma de serviços tecnológicos que permite a empresas demandantes acesso a soluções para melhorias de processos ou produtos, resultando em maior inovação no mercado.”Quando começamos o Sebraetec, em 2010, tínhamos 300 fornecedores de serviços. Em 2013, esse número passou para 1,4 mil. Nossas pesquisas mostram que um quarto das empresas que buscaram o Sebraetec aumentaram seu lucro em mais de 25%”, afirmou.
Quanto aos Agentes Locais de Inovação, o programa treina jovens recém-formados – principalmente dos cursos de Engenharia, Administração e Economia – para assessorar a uma média individual de 30 a 40 empresas. “Esses jovens oferecem assistência técnica de acordo com as demandas e a realidade das empresas. Em 2011, tínhamos 450 agentes. Em 2013, chegamos a 1.112”. Nas incubadoras de empresas, o eixo de ação do Sebrae é a qualificação da gestão por meio das normas previstas no edital Cerne, que atualmente está sendo implementado em 152 incubadoras do país, com um investimento de R$ 24,8 milhões.
Presente à cerimônia, o ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, disse que o governo federal ampliou os investimentos para gerar um ambiente mais propício a empreendimentos inovadores. Ele afirmou que o programa Inova Empresa disponibilizou, em editais este ano, cerca de R$ 19 bilhões para a geração de inovação no mercado brasileiro. Essa quantia representa quase dois terços do valor total de R$ 32,9 bilhões anunciado pelo governo federal em março deste ano. “O Sebrae é parceiro do governo nessas iniciativas junto aos pequenos negócios. Existe uma demanda clara das empresas e temos de capacitar para a inovação da forma mais séria possível”, complementou.
“Do total do programa Inova Empresa, serão destinados aos parques tecnológicos, importantes instrumentos de políticas públicas, R$ 640 milhões para acelerar o desenvolvimento de práticas inovadoras no país”, explicou o ministro, ex-diretor do Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O Brasil possui hoje 34 parques tecnológicos em operação, 26 em implantação e 45 previstos em projetos.
Raupp também destacou a importância da criação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), a fim de melhorar a relação entre empresários e pesquisadores, uma forma de estimular a inovação do país e o registro de novas patentes. O anúncio da Embrapii foi feito pela presidente Dilma Rousseff, em março, com previsão de investimento de R$ 1 bilhão para estimular a cooperação entre empresas nacionais e instituições tecnológicas ou de direito privado sem fins lucrativos.
Desafios
Participaram da abertura do evento o prefeito de Recife, Geraldo Júlio, e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que destacou a relevância de discutir o tema Parques tecnológicos modelando as cidades”, que pauta as discussões do Seminário Nacional da Anprotec e da Conferência Mundial da IASP. “O Brasil tem mais de 80% da população nas cidades. Há dois desafios centrais para as políticas públicas: qualidade de vida nas áreas urbanas e maior produtividade da economia. O debate nesse evento pode inspirar soluções de políticas públicas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *