Conselho Nacional discute agenda positiva para o turismo

Em reunião do Conselho Nacional de Turismo (CNT), na quarta-feira (31/07), em Brasília, foram abordados à mesa a repercussão da Jornada Mundial da Juventude, os investimentos do MTur, a capacitação profissional, a relação entre turismo e aviação e os entraves para o desenvolvimento do setor. Além do ministro do Turismo, Gastão Vieira, estiveram presentes representantes das 71 entidades que compõem o colegiado, entre elas a presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos, Anita Pires.
“Nos chamou a atenção a afirmação do Flávio Dino, presidente da Embratur, de que o nosso setor é amplo, complexo, fragmentado, e o governo precisa receber do empresariado do turismo demandas focadas”, conta Anita. “É aquele velho problema, não priorizamos, temos muitas bandeiras, enquanto precisamos apresentar demandas devidamente estudadas, claras e objetivas”, acrescenta a presidente da ABEOC Brasil.
“Mas felizmente estamos avançando no que diz respeito à pactuação entre as entidades, sobre as questões prioritárias que devem ser aprofundadas, como tem sido o exemplo do ForEventos – Fórum de Entidades do Setor de Eventos, um grupo de lideranças, da cadeia produtiva de eventos, criado para discutir e definir prioridades e pautá-las com o Governo Federal”, afirma Anita Pires.
O presidente do Conselho da CVC, Guilherme Paulus, escolhido porta-voz do grupo de lideranças, falou na reunião do Conselho Nacional do Turismo que o segmento prepara uma pauta de reivindicações a ser apresentada ao governo. Adiantou que nela constam assuntos como a extensão da desoneração tributária para a cadeia produtiva do turismo e visto eletrônico.

Recursos MTur, Aviação e Fornatur

O secretário de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Fábio Mota, anunciou a criação de um banco de projetos, que oferece mecanismos para facilitar o acesso de entes federativos aos recursos do MTur. Ele disse que o projeto ajuda a retirar um dos principais entraves para execução de obras de infraestrutura: a carência de projetos executivos adequados.
“Hoje, o prazo de execução de uma obra, do planejamento até a conclusão, é de cerca de cinco anos. Com o banco, este prazo deve diminuir para três anos”. Mota falou também que serão reforçados os projetos de qualificação profissional, com apoio de entidades do setor.
A Secretaria de Aviação Civil (SAC), representada pelo secretário-executivo do órgão, Guilherme Ramalho, estreou como membro do CNT. Ramalho falou dos investimentos que estão sendo realizados pelo governo federal na reforma e ampliação de aeroportos e defendeu a construção de uma agenda conjunta para buscar soluções para os gargalos do setor aéreo. “O fluxo de recursos resultante das concessões dos aeroportos vai permitir a expansão da aviação regional, ampliando o atendimento às regiões turísticas”.
A aviação foi um dos temas de maior repercussão na reunião. Foi lida carta aberta do Fórum Nacional de Dirigentes e Secretários Estaduais de Turismo (Fornatur) onde o grupo manifesta apreensão com a redução da oferta de voos e aumento das tarifas aéreas. O secretário estadual de Turismo do Rio de Janeiro e presidente do Fornatur, Ronald Ázaro, fez um balanço da Jornada Mundial da Juventude que, segundo ele, injetou mais de R$ 1,2 bilhão na economia do estado.
Ao encerrar a reunião, o secretário nacional de Políticas do Turismo e secretário executivo do CNT, Vinícius Lummertz, defendeu a construção de uma pauta de demandas do turismo para ser apresentada durante a Feira das Américas – Abav 2013, em setembro, em São Paulo.
(Com informações do MTur)