Por que debater a competitividade do turismo brasileiro?

[Por Aquarela 2020, 05/07/2013]
Na terça-feira (9), a Embratur realiza, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, o I Seminário Turismo e Competitividade, reunindo representantes do setor empresarial e de governo para debater o tema. Mas por que debater a competitividade às vésperas dos megaeventos? “Um dos itens que influencia o turista internacional na hora de decidir sua viagem é a competitividade daquele destino”, avalia o presidente da Embratur, Flávio Dino. “E, por competitividade entendemos bons serviços a preços justos. Quando isso não ocorre, temos um risco para a imagem do destino”. Segundo ele, justamente durante os megaeventos, que são um período de megaexposição, é importante mostrar serviços competitivos.
Segundo o presidente do Fornatur (Fórum Nacional de Secretários e Autoridades Estaduais de Turismo) e secretário do Rio, Ronald Ázaro, o debate vem em boa hora. “Os gestores estaduais estão preocupados com a disparada dos preços das passagens domésticas, que deixam os nossos principais destinos com menor competitividade diante dos destinos estrangeiros”, afirma Ronald.
O tema do setor aéreo será debatido em uma mesa específico, contando com a participação do presidente da Abear (Associação Brasileira de Empresa Aéreas), Eduardo Sanovicz. “O objetivo da participação da Abear no seminário é apresentar à cadeia produtiva do turismo os dados atuais, as propostas e medidas necessárias para que a aviação brasileira possa obter competitividade equiparada aos padrões internacionais, crescer e cumprir a sua missão de conectar o País”, afirma Sanovicz. “Entendo ainda que, ao compartilhar esses dados por meio da Embratur, inauguramos uma nova qualidade de diálogo na medida em que a partir deste seminário o órgão e o trade turístico como um todos passarão a dispor de dados reais e atualizados para debater a aviação”.
Na mesma mesa da Abear, estará o conselheiro da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Cláudio Magnavita. “A Embratur foi o primeiro órgão governamental a apontar a disparada das tarifas aéreas no Brasil e este seminário é fundamental para que soluções sejam encontradas de forma emergencial”.
“Esse tipo de debate é importante porque abre espaço para que a iniciativa privada mostre sua capacidade em transformar a competitividade do turismo”, avalia Valter Patriani, superintendente de Vendas, Produtos e Marketing da CVC. “Porém, não basta ter apenas novas operações de viagens, novos produtos e maior consumo de viagens. É necessário que o poder público olhe e trabalhe para eliminar os entraves ao crescimento.”
Para Ronald, o “seminário é fundamental para que consolidar a metodologia de pesquisas da Embratur”. Há, justamente, uma mesa apenas para debater as questões metodológicas quanto à pesquisa de preços do setor turístico. Participarão do debate Danielle Crema, da Superintendência de Regulação Econômica e Acompanhamento de Mercado da ANAC; Leandro Garcia, assessor da Presidência da Embratur; e José Ernesto Marino Neto, da BSH Brasil.
O seminário ocorre durante todo o dia, das 8h30 às 17h de terça-feira (9). A abertura será feita por Dino; pelo presidente do Fornatur (Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo) e secretário de Turismo do Rio, Ronald Ázaro; do secretário Nacional de Políticas de Turismo, Vinícius Lummertz; entre outros. Depois, ocorrerá uma palestra, seguida de debate, do secretário-executivo do Ministério do Turismo, Valdir Moysés Simão.
O dia de debates contará ainda com uma mesa com o presidente da Abear (Associação Brasileira de Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz; o vice-presidente da CVC, Valter Patriani; e o conselheiro da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Cláudio Magnavita.