Para ser um sucesso: gerir eventos requer alguns princípios básicos para dar certo

Falta de planejamento e de qualificação na mão de obra são os erros cometidos com mais frequência na organização de eventos. Muitas empresas podem não dar o valor devido para suas solenidades. Mal sabem elas que, com isso, estão afastando o seu público e, como consequência, acabando com todo o conceito que tinham. “Tudo vai acontecer ao contrário”, destaca a presidente da  Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC Brasil – RS) e coordenadora da formação da Unisinos na área, Ana Cláudia Bitencourt.
Com a realização de grandes eventos no Brasil, como a Copa do Mundo, é crucial que os profissionais estejam preparados para lidar com as demandas importantes que vão aparecer. Dentre os pré-requisitos, é fundamental ser seguro, disciplinado, ter flexibilidade, raciocínio rápido e, até, preparo físico. “Também é importante ser realista e ter paciência”, acrescenta Ana Cláudia. A professora explica que para trabalhar na área é necessário se tornar um especialista em públicos, ou seja, unir inúmeras outras profissões, como Recursos Humanos, Marketing, Administração, Contábeis e Relações Públicas. “Por lei, as empresas que trabalham com eventos pertencem a Lei Geral do Turismo. Com isso, o organizador seria o turismólogo. Mas, analisando os campos de estudo e atuação, a profissão não seria totalmente compatível, faltando especializações. É por isso que os cursos da área são muito procurados.

Com a realização de grandes eventos no Brasil, é crucial que os profissionais estejam preparados para lidar com as demandas.

Mercado nacional é promissor
Segundo o ranking do International Congress and Convention Association (ICCA), o Brasil já figura entre os dez países que mais recebem eventos internacionais no mundo, com mais de 300 mil por ano. Outro fator que reforça a importância do setor por aqui é a capacidade econômica brasileira, visto que é a única nação latino-americana que integra o Bric. “Junto a isso, alcançamos outro patamar com a realização dos maiores eventos esportivos, como a copa, que levarão o país ao centro das atenções”, destaca Ana Cláudia.
Brasil já figura entre os dez países que mais recebem eventos internacionais no mundo.

Como planejar um evento?
A organização de uma solenidade requer alguns princípios básicos para dar certo. Na verdade, são seis: promover um acontecimento favorável à imagem da empresa e de seu produto perante o público; atingir determinado nicho, com a finalidade de vender uma boa imagem; integrar para sintonizar os interesses dos diferentes grupos; informar o sentido promocional do acontecimento, despertando interesse pelo produto, a preferência pela marca e a participação da organização na vida de uma comunidade; instituir um canal de comunicação direta permanente; e relacionar a potencialidade do ser humano com sua capacidade de realização, pois qualquer falha na organização compromete a imagem da entidade promotora. “Para que as etapas pré-estabelecidas na realização sejam seguidas e as metas propostas atingidas, é necessário seguir um roteiro. As primeiras questões a se formalizar são a natureza do evento, o público a quem se destina e quanto importa o investimento financeiro. O custo-benefício entra como fator decisivo para se realizar ou não”, dá a dica Ana Cláudia.
[Por J.U. Online, 07/05/2013]