Brasília sediará um dos maiores eventos tecnológicos do mundo

[Por R7 Notícias, 16/06/2013]
Um dos maiores eventos tecnológicos do mundo será realizado em Brasília, entre 15 e 18 de maio de 2016, e reunirá empresas e entidades empresariais para discutir os próximos investimentos no setor.
O anúncio oficial de que a capital sediará o 20º WCIT (World Congress on Information Technology) – Congresso Mundial de Tecnologia da Informação, em tradução livre– acontecerá nesta segunda-feira (17), no Palácio do Buriti, no Distrito Federal.
De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Glauco Rojas, esse é o evento de tecnologia mais importante do mundo.
— E trará a cidade empresários, cientistas, estudiosos e visitantes, estimulando investimentos nacionais e internacionais no setor.
Na ocasião será assinado um termo de comprometimento entre o GDF (Governo do Distrito Federal) e órgãos de apoio para assegurar a realização do evento.
Comprometimento
O congresso, promovido a cada dois anos, chegou ao Brasil graças à união do GDF, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, e a Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, a Assespro Nacional.
A decisão foi tomada em outubro do ano passado pela Federação Mundial das Entidades de Tecnologia da Informação, WITSA (World Information Technology and Services Alliance), às vésperas do WCIT 2012, em Montreal, no Canadá.
Durante a realização do evento, o GDF apresentou uma carta de intenções à WITSA, responsável pelo congresso, se comprometendo a realizá-lo dentro dos prazos e metas estabelecidos pela federação.
Pelo mundo
O congresso é organizado desde 1978 e países como Estados Unidos (1998 e 2006), China (2000), Austrália (2002), Grécia (2004) e Holanda (2010) já foram sedes.
Em 2012, o congresso foi realizado em Montreal, no Canadá, e em 2014 o México sedia o WCIT, em Guadalajara.
O setor de Tecnologia da Informação movimenta, por ano, US$ 233 bilhões só no Brasil, segundo a empresa de consultoria IDC, que conta com mais de 1 mil analistas em 110 países para estudar os mercados tecnológicos em hardware, software, serviços, telecomunicações, segmentos verticais e investimentos.