Turismo brasileiro: entre os maiores crescimentos do mundo

[Por Aquarela 2020, 29/04/2013]
Esta semana, concluímos a contabilização da quantidade de estrangeiros que visitaram o Brasil em 2012. E foi com um profundo sentimento de dever cumprido que vimos que foi atendida a missão da Embratur de atrair turistas de todo o mundo para conhecer nosso país.
Foi alcançada a meta estabelecida no Plano Aquarela 2020, documento que sintetiza o nosso planejamento estratégico. Alcançamos o ingresso de 5,7 milhões de estrangeiros ao longo de 2012, o que nos coloca muito próximos da meta de 6 milhões de estrangeiros para este ano.
O resultado fez com que o fluxo internacional de turistas no Brasil crescesse 4,5%, em relação a 2011. Com isso, superamos o resultado mundial divulgado pela OMT (Organização Mundial de Turismo): alta de 3,8%. Por isso, graças ao empenho dos empresários e profissionais do setor turístico; dos secretários estaduais e municipais de turismo que têm atuado na melhora de serviços e, também, às inovações na promoção internacional, conseguimos um resultado 20% superior à média mundial.
Além da média mundial, superamos as Américas (3,7%), da América do Sul (4,2%) e dos países emergentes (4,1%). O Brasil também teve um crescimento maior do que o de tradicionais destinos turísticos, como França, Espanha, Itália, Turquia e México.
O resultado mostra que o governo da presidenta Dilma caminha na direção certa na preparação dos megaeventos, garantindo uma boa imagem do país no exterior. E que as campanhas publicitárias da Embratur, das quais o Maranhão faz parte, têm surtido efeito de atrair turistas da América Latina e Europa, além dos BRICs.
Os nossos vizinhos da América do Sul foram os que mais contribuíram para esse resultado, com um total de 2,8 milhões de turistas– 7,4% a mais que em 2011. Entre eles, a Argentina, principal emissor para o Brasil, aumentou sua participação em 4,9%. Foram 1,59 milhão de turistas, em 2011, e 1,67 milhão em 2012. Mesmo com esse aumento, a Embratur está intensificando ainda mais as ações em nosso país vizinho, visando à Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, com a vinda do Papa Francisco, nascido na Argentina.
Os Estados Unidos continuam como segundo principal mercado emissor de turistas para o Brasil, apesar da queda de 1,4% no número de turistas registrada em 2012. No entanto, ainda pode crescer, e muito mais. Um estudo da Embratur mostra que o Brasil capta apenas 586 mil dos cerca de 10 milhões de norte americanos que viajam para a América Latina. Diante dessa realidade, estou sugerindo que sejam analisados no Congresso Nacional projetos de lei que facilitam a vinda de pessoas que vivem nos EUA.
O desempenho do turista europeu no Brasil merece especial atenção. Com a grave crise econômica que atingiu a região durante o ano passado, tradicionais emissores de turistas para o Brasil tiveram queda, como Itália, Portugal e Espanha. Mesmo assim, conseguimos aumentar o volume total de europeus, graças ao incremento significativo da Alemanha, que passou a ser o 3º país que mais envia turistas ao Brasil. Temos de estar atentos, porque essa crise europeia prejudica, particularmente, o mercado turístico do Nordeste, tradicional destino dos europeus.
Em 2013, vamos modernizar ainda mais a promoção internacional do Brasil, a fim de que, progressivamente, o turismo alcance os patamares mais altos que merecemos. Com isso, tenho convicção de que continuaremos batendo recordes seguidos na entrada de turistas e de divisas, os quais, na prática, convertem-se em desenvolvimento local. Afinal, o turismo é uma atividade fortemente capilarizada por todo o país e consegue distribuir ganhos em vários segmentos de nossa economia.
Flávio Dino, presidente da Embratur